Bebe Rexha está mais vulnerável e sensível no novo disco Better Mistakes [REVIEW]

Flertando com ritmos como rap, rock e hip-hop, cantora mergulha em letras profundas sobre culpa e empoderamento

Mariana Rodrigues (sob supervisão de Yolanda Reis) Publicado em 07/05/2021, às 20h06

None
Bebe Rexha (Foto: Jack Gorlin / Warner Music Brasil)

Better Mistakes(2021) apresenta uma versão vulnerável e sincera de Bebe Rexha, com composições carregadas de sentimentos. É um disco com um peso emocional muito grande que discorre sobre culpa, aceitação e empoderamento.

Apesar de manter a identidade musical focada em um pop dançante e muito explorada no disco de estreia Expectations (2018), a cantora tem êxito ao flertar com outros estilos como rap, hip-hop e até rock para construir uma trajetória capaz de criar identificação em quem a ouve. 

+++ LEIA MAIS: Bebe Rexha explica lágrimas no Rock In Rio e explora inseguranças em novo álbum - do ciúme ao empoderamento [ENTREVISTA]

As colaborações são um dos pontos fortes de Better Mistakes. Com nomes como Doja Cat, Ty Dolla $ing, Lil Uzi Vert, Rick Ross entre outros, Rexha mostra uma nova versão do pop, com uma certa nostalgia do início da década de 2010, lembrando sucessos de Katy Perry e Tove Lo, e, ao mesmo tempo, cria melodias completamente novas misturando o pop com outros gêneros.

"Break My Heart Myself," parceria com Travis Barker, abre o álbum. Apesar da batida dançante e das piadas na letra, a cantora começa a revelar as próprias inseguranças e medos, completados pela próxima faixa, "Sabotage." Em uma das músicas mais profundas de Better Mistakes, Rexha muda tanto a melodia quanto a letra e compartilha uma dor de culpa ao se questionar "por que eu saboto tudo aquilo que amo?"

+++ LEIA MAIS: Rock in Rio 2019: Drake, Bebe Rexha e Jessie J são os artistas mais comentados no Twitter

Na verdade, esse é um sentimento muito presente no disco e o ritmo mais lento e a voz carregada de emoção transformam "Sabotage" em uma das faixas mais sensíveis da cantora. Em "Trust Fall" há uma leve entrega ao rap, na qual Rexha alterna versos mais acelerados com outros mais suaves, criando uma combinação perfeita ao cantar sobre o medo de confiar novamente.

"Better Mistakes" dá nome ao disco, apesar de não ser tão forte quanto as outras. A batida é mais genérica e não tão inovadora, pois repete a receita de hits como "I'm an Albatraoz,"AronChupa, com versos repetitivos e melodia puxada para eletrônica. No entanto, a partir dessa música, o álbum ganha outro direcionamento e a cantora começa a se libertar dos arrependimentos para, aos poucos, se encontrar. 

+++ LEIA MAIS: Rock in Rio 2019: Fã espanta show morno de Bebe Rexha com twerk e rosto da cantora estampado na roupa

"Sacrifice" mostra uma versão mais forte e decidida de Rexha. Apesar de querer se entregar a um novo amor, agora ela reconhece o próprio valor. O ritmo dançante caminha para um disco-pop, lembrando sucessos como Future Nostalgia(2020), de Dua Lipa.

Com letra intensa, Rexha canta ao lado de Ty Dolla $ing e Trevor Daniel sobre uma relação conturbada em "My Dear Love." Mais uma vez, demonstra vulnerabilidade, mas dá volta por cima na faixa seguinte, "Die For a Man" com Lil Uzi Vert. Nela, o hip-hop e o pop percorrem os versos empoderados da cantora, como em: "Mesmo que eu o ame, desesperadamente o adore, você deve saber que / Eu nunca morreria por um homem."

+++ LEIA MAIS: Atração do Rock in Rio, Bebe Rexha ama Anitta e quer música com Drake [ENTREVISTA]

A parceria com Doja Cat, "Baby, I’m Jealous," foi um dos primeiros lançamentos de BetterMistakes, divulgado em outubro de 2020. Em entrevista à Rolling Stone Brasil, Rexha explicou como a composição reflete experiências pessoais. Da mesma forma que outros sucessos de Doja, o rap brinca com o ritmo da música, criando uma batida viciante. 

O reggaeton também tem sua vez em Better Mistakesnos versos de Lunay em "On The Go." A melodia suave e apaixonante reflete a letra sobre desejo e amor. "Death Row," por outro lado, caminha para um som mais intenso, com um fundo levemente puxado para o rock.

+++ LEIA MAIS: Bebe Rexha rebate executivo de música que a chamou de 'velha demais para ser sexy'

O violão traz uma suavidade para a letra sensível de "Empty," na qual Rexha mais uma vez se abre sobre "sentir demais," praticamente resumindo em uma única canção toda a carga emocional do disco. "Amore," com Rick Ross, segue o mesmo caminho musical e os versos do rapper trazem mais sensualidade À canção. "Mama" fecha o disco mostrando ao máximo a potência vocal de Rexha. 

Better Mistakes é um lançamento forte e audacioso de Rexha. Tanto pelas letras quanto pelos diferentes ritmos explorados ao longo de 13 faixas. É visível como a cantora se entrega em todos os sentidos nesse álbum, passando pelas qualidades, mas sem deixar de lado as fraquezas.

+++ LEIA MAIS: Evanescence mira em Billie Eilish em novo disco, mas entrega mais do mesmo [REVIEW]

Muito pelo contrário, soube mostrar como nem sempre estamos completamente bem, mas que esses momentos também são importantes para nos fazer fortes, algo reconfortante em um período tão difícil.

Better Mistakes está disponível nas principais plataformas Apple Music, Spotify, Pandora, YouTube, Deezer, Sound Cloud, Tidal e iTunes. As versões física e digital estão à venda no site da cantora (https://shop.beberexha.com/) por US$ 13,98 e US$ 7,99 respectivamente. 

+++ LEIA MAIS: Apesar de boas músicas pop, Justin Bieber apresenta um amontoado de discursos superficiais em um flerte distante com R&B em Justice [REVIEW]


+++ MV BILL: 'A GENTE TEM A PIOR POLÍTICA DE GOVERNO PARA O PIOR MOMENTO' | ENTREVISTA | ROLLING STONE BRASIL