Billy Corgan alfineta Foo Fighters e Pearl Jam e sugere fim do Smashing Pumpkins: “Estou farto do rock”

Banda está lançando Monuments to an Elegy e é uma das atrações do Lollapalooza Brasil

Rolling Stone EUA Publicado em 10/12/2014, às 17h19 - Atualizado às 19h38

Billy Corgan, frontman do Smashing Pumpkins

Ver Galeria
(6 imagens)

Com o novo disco do Smashing Pumpkins, Monuments to an Elegy, oficialmente lançado e o último trabalho do ciclo Teargarden By Kaleidyscope anunciado para o ano que vem, Billy Corgan está se deparando com o encerramento de uma jornada: “O próximo álbum é como o fim, fim, fim”, disse ele ao The Wall Street Journal. “A maneira banal de dizer isso é que estou farto do rock and roll. O que é estranho, porque o rock and roll está voltando para mim.”

Veja em que posição está Mellon Collie and the Infinite Sadness na lista dos 10 maiores álbuns duplos de todos os tempos.

Corgan então passou a discutir sobre o desafio de reverenciar o legado em detrimento das atuais impressões dele sobre a música e a cultura, mas também como músico que continua produzido novos trabalhos. “No pop, existe esse estranho ciclo no qual você tem que ter uma consciência urgente do passado, constantemente, e isso mais leva você para baixo do que te coloca para cima.”

Ele acrescentou: “Acho que finalmente atingi um ponto em que estou me livrando de todo tipo de peso. Não sinto que eu tenho que tocar certas canções, mas também não me recuso a tocá-las.”

Estrela Solitária: A tristeza infinita e a redenção improvável de Billy Corgan.

Entretanto, por mais que esteja confortável artisticamente, Corgan está menos otimista sobre alguns aspectos do Smashing Pumpkins, especialmente a base de fãs, a qual ele acredita que não existe mais. Ainda que os shows marcados tenham esgotado os ingressos de forma imediata, o frontman diz que o número de fãs realmente interessados em imergir no som da banda é pequeno, notando que recebeu pouca resposta do público na internet nos últimos anos.

Galeria: as 15 separações mais conturbadas do rock.

Corgan ainda participou do programa The Howard Stern Show, na rádio norte-americana SiriusXM na última terça, 9, ocasião em que ele falou sobre o amor dele à competição, especialmente em relação ao improvável “domínio” do rock alternativo. Depois que o apresentador posicionou o Smashing Pumpkins ao lado do Nirvana no topo do panteão dos anos 1990, outro integrante do programa, Robin Quivers, sugeriu adicionar o Pearl Jam, mas Corgan foi bem rápido em vetá-lo.

Ouça versão acústica de “1979”, do Smashing Pumpkins.

“Não acho que eles tenham as canções”, disse ele. “Acho que se pegar as minhas canções, as de Cobain, e as dessa banda [Pearl Jam], eles não têm as canções.” Corgan valorizou o status do grupo como grandes roqueiros de arena, mas acrescentou: “As pessoas vão encarar isso da maneira errada, mas se você está falando em competitividade, eles são meus concorrentes”.

O frontman ainda reservou algumas palavras para Dave Grohl e o Foo Fighters, dizendo que ele não estava particularmente animado com o trabalho recente da banda. “Minha crítica ao Foo Fighters é que eles não evoluíram”, comentou. “Obviamente, dediquei minha vida inteira para sempre fazer músicas diferentes conforme crescia... Mas isso é apenas minha mentalidade e sei que não é assim com todo mundo.”

O Smashing Pumpkins é uma das atrações do Lollapalooza Brasil de 2015, saiba mais aqui.