Black Out Tuesday: indústria da música promete apagão em apoio a protestos por George Floyd

Grandes empresas e gravadoras declararam apoio aos protestos contra o racismo e a violência policial

Redação Publicado em 01/06/2020, às 13h36

None
Protesto pela morte de George Floyd nos EUA (Foto: Getty Image)

Após diversas cidades dos Estados Unidos serem tomadas por protestos que pedem justiça pela morte de George Floyd, homem negro morto por um policial branco, a indústria da música decidiu apoiar os manifestantes e lançou o movimento Black Out Tuesday.

O objetivo é paralisar a setor para os trabalhadores participarem das manifestações. A célebre gravadora Columbia, que trabalha com artistas como Beyoncé e Lil Nas X, foi uma das primeiras a abraçar a causa, segundo O Globo.

Nas redes sociais, a empresa deixou claro que o dia não é para descansar, mas para gerar reflexão e mostrar apoio à comunidade negra. "Não é um dia de folga. Ao invés disso, é um dia para refletir e pensar como seguir adiante em solidariedade", escreveu a Columbia em um post.

 
 
 
 
 
Ver essa foto no Instagram
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Uma publicação compartilhada por Columbia Records (@columbiarecords) em

 

+++ LEIA MAIS: Baterista do Slipknot, Jay Weinberg incentiva fãs a combaterem racismo e lutar 'por igualdade real, liberdade e união'

Pouco tempo depois a Capitol, Warner Music Group, UMPG, Interscope Records, Motown, Caroline, Kobalt, Electric Feel Management, LVRN e Pulse Music Publishing também anunciaram a participação. 

"Em solidariedade aos nossos colegas, artistas e pessoas amadas negras ao redor do país que estão abaladas com a irracional perda de mais uma vida negra inocente, o Capitol Music Group não vai conduzir nenhum negócio na terça-feira, 2 de junho, em observância ao Black Out Tuesday", escreveu a Capitol.

 
 
 
 
 
Ver essa foto no Instagram
 
 
 
 
 
 
 
 
 

BLACK LIVES MATTER. #THESHOWMUSTBEPAUSED

Uma publicação compartilhada por Capitol Records (@capitolrecords) em

 

+++ LEIA MAIS: Grupo de hackers Anonymous faz graves acusações contra Trump, cita Bolsonaro e pai de Julian Casablancas

Já IGA - Interscope Geffen A&M - declarou: “A IGA não lançará novas músicas na semana do dia primeiro de junho. Ao invés disso, a IGA contribuirá para organizações que ajudam protestantes exercitar o direito deles de se reunirem, ajudará advogados que trabalham para uma mudança no sistema e fornecem assistência para instituições focadas em criar um empoderamento econômico na comunidade negra. A IGA está comprometida a fazer uma ação de longo prazo na luta contínua pela justiça racial”.

 
 
 
 
 
Ver essa foto no Instagram
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Uma publicação compartilhada por Interscope Records (@interscope) em

 


+++ VITOR KLEY | A TAL CANÇÃO PRA LUA | SESSION ROLLING STONE