Black Sabbath gastou mais dinheiro com drogas do que com a gravação do disco em si; conheça

Black Sabbath Vol. IV envolveu muitos gastos, mas o principal foi a cocaína

Redação Publicado em 27/03/2020, às 15h34

None
Black Sabbath (Foto: AP)

O Black Sabbath é conhecido pelas histórias bizarras envolvendo muitas drogas, principalmente quando se trata do disco Black Sabbath Vol. IV(1974). Durante as sessões de gravação do álbum, o uso de cocaína era frequente- e o valor gasto com a substância ilícita era incrivelmente alto. As informações são da Far Out Magazine.

+++LEIA MAIS: As complicações de Black Sabbath Vol. IV: como a polícia precisou intervir diversas vezes para ninguém morrer

Para a gravação do disco, a banda alugou uma casa em Bel Air, Los Angeles. No local, além de mergulharem no processo criativo do álbum e gastarem muito dinheiro, os integrantes utilizaram muita cocaína.

O Black Sabbath ficou tão envolvido pela droga que gastou um valor absurdo na substância. Segundo o baixista Terence 'Geezer' Butler, o custo total do álbum foi US$60 mil. No entanto, segundo rumores, o valor utilizado com a cocaína foi maior: US$ 75 mil. 

+++ LEIA MAIS: Como Ozzy Osbourne precisou comer 'montanhas' de droga para não ser preso em 1972 (depois dele mesmo chamar a polícia)

Em I Am Ozzy, autobiografia publicada em 2010, Ozzy Osbourne falou sobre o uso da droga: “Eventualmente, começamos a nos perguntar de onde diabos toda a cocaína estava vindo. Sabíamos que chegava no fundo de vans não marcadas, embaladas dentro de caixas de papelão. Em cada caixa, havia cerca de trinta frascos - dez de diâmetro, três de profundidade - e cada um tinha uma tampa de rosca, selada com cera”.

Em entrevista à Louder, o músico relembrou o processo de gravação do disco: “Essa cocaína era a coisa mais branca, mais pura e mais forte que você pode imaginar. Uma cheirada e você era o rei do universo”.

+++LEIA MAIS: Ordinary Man é primeiro disco que Ozzy Osbourne criou sem ‘ajuda’ de drogas e álcool

O título original do trabalho, Snowblind, seria uma homenagem à substância, mas a gravadora não deixou utilizarem o nome - informação também explicada por Ozzy Osbourne na autobiografia publicada em 2010.


+++ CORONAVÍRUS: DEVEMOS REALMENTE CANCELAR SHOWS E EVENTOS?