“Achei que fosse trote”, conta BNegão sobre o convite para cantar no encerramento das Olimpíadas

Músico mostrou versão de “Maracatu Atômico” na cerimônia, assistida por milhões de pessoas no mundo todo

Lucas Reginato Publicado em 17/08/2012, às 19h38

BNegão na Olimpíada
AP

A festa no último domingo, 12, que colocou fim aos Jogos Olímpicos de Londres, contou com participação brasileira como primeiro passo rumo à edição do evento no Rio de Janeiro, em 2016. Cantores cariocas como Marisa Monte e Seu Jorge não foram grande surpresa, já que são extremamente populares no Brasil e têm reconhecimento internacional. O inusitado ficou por conta de BNegão, e ele mesmo revela que demorou a acreditar que o convite era real.

“Quando me convidaram achei que fosse um trote criativo [risos]. Falei: ‘Pô, essa galera tá brincando, mas pelo menos tá engraçado, deixa eu responder’”, lembra ele, que no Estádio Olímpico cantou “Maracatu Atômico”, música de Jorge Mautner e Nelson Jacobina que foi sucesso com Chico Science & Nação Zumbi. Mas a brincadeira ficou séria demais quando ele se encontrou com os organizadores da festa: “Quando eu vi a Daniela [Thomas] e o Cao [Hamburguer] é que percebi que era sério mesmo”. Daniela e Hamburguer dirigiram a apresentação brasileira na cerimônia.

Mas o cantor só teve a real noção da grandeza que foi o evento quando, mais tarde, viu pela televisão. “Quando eu assisti, chegando no Brasil, é que deu pra ver direito. Na hora você está concentrado em fazer sua parte ali”, diz ele, que gostou da repercussão que sua participação teve.

Além de fazer uma homenagem a Chico Science para milhões de telespectadores no mundo inteiro, BNegão também circulou no meio de grandes ícones. “Brian May, Eric Idle, Beckham. Todo mundo estava ali sem estrelismo para trabalhar, numa boa”, ressalta. Ele afirma que já teve “experiências inacreditáveis na vida” por situações como essa, enquanto “no Brasil nego tem essa mania de separar monstruosamente”.

Foram três ensaios em Londres, além de outros feitos anteriormente no Brasil. BNegão passou uma semana “de trabalho direto” na capital londrina. “Consegui só algumas escapadas, principalmente as gastronômicas clássicas [risos]”, brinca ele. Em uma destas saídas, ele se deparou com um momento bastante curioso, quando esteve na importante loja de discos Sounds of the Universe. “O meu compacto [Funk Até o Caroço/O Processo, 2003] estava tocando, e venderam o disco na minha frente sem qualquer intervenção minha”, relata. “Isso aí valeu a viagem.”

De volta ao Brasil, as coisas continuam bem movimentadas para BNegão, que com segundo álbum com Os Seletores de Frequência lançado, faz turnê pelo Brasil, incluindo uma apresentação em São Paulo com os ídolos do Skatalites. Além disso, o cantor fará cinco shows com o Planet Hemp, sua ex-banda, a partir do final de setembro.

Entrevista: quase dez anos após o álbum de estreia com Os Seletores de Frequência, BNegão volta renovado e próximo ao público em Sintoniza Lá.