Borat 2: Processo aberto por família de sobrevivente do Holocausto é recusado por juiz

Advogado da Amazon provou que Judith Dim Evans estava ciente do teor do filme

Redação Publicado em 27/10/2020, às 17h11

None
Sacha Baron Cohen em Borat 2 (Foto: Reprodução)

O novo filme do Borat estreou no Amazon Prime na última sexta, 23. Mas antes mesmo de chegar à plataforma de streaming, a família de uma sobrevivente do Holocausto havia aberto um processo contra os produtores que, de acordo com novas informações evidenciadas pela Variety, foi recusado por um juiz do estado de Georgia.

Os parentes de Judith Dim Evans, que morreu depois de gravar a entrevista para o longa, alegavam que ela foi enganada, e jamais teria aceitado participar se soubesse do teor do filme.

+++LEIA MAIS: Borat 2 e a delicada arte de expor o perigo pela sátira [ANÁLISE]

Contudo, Russel Smith, advogado da Amazon, conseguiu provar ao juiz que ela de fato sabia da sátira e havia inclusive assinado um documento aceitando os termos, além de ter sido informado que o próprio Sacha Baron Cohen, ator que interpreta Borat, também é judeu.

Em um comunicado, Smith disse que o astro "ficou imensamente grato por ter tido oportunidade de trabalhar com Judith Dim Evans, uma pessoa que com a compaixão e coragem de uma sobrevivente do Holocausto tocou o coração de milhares de pessoas que assistiram ao filme."

+++LEIA MAIS: Cazaquistão passa a usar frase de Borat para promover turismo no país

O advogado ainda acrescentou: "A vida de Judith é uma prova poderosa aos que negam o Holocausto. Com esse filme e com o ativismo dele, Sacha Baron Cohen vai continuar a combater a negação do Holocausto pelo mundo."

Além disso, foi colocado no fim do filme uma homenagem a Judith.


+++ BK' | MELHORES DE TODOS OS TEMPOS EM 1 MINUTO | ROLLING STONE BRASIL