Brasileiras vão à Coréia do Sul para viverem do K-pop, mas acabam sendo prostituídas

O grupo ficou cerca de um mês sendo forçado a trabalhar com prostituição

Redação Publicado em 04/09/2019, às 19h32

None
Apresentação do BTS (Foto: Chris Pizzello/ AP).

Um grupo de brasileiras viajou para a Coreia do Sul para viver do K-pop, mas quando chegaram lá, perceberam que não passou de um golpe. 

+++LEIA MAIS: Sul-coreano é expulso de grupo de k-pop CNBLUE ao compartilhar vídeos de sexo

Segundo o Korea Times, as sete mulheres com idades entre 20 e 30 anos foram recrutadas por cinco homens, que pagaram suas viagens de ida e volta para que o grupo entrasse na indústria do entretenimento local. No entanto, ao chegarem, no meio de julho, tiveram seus passaportes confiscados e passagens de volta para o Brasil canceladas.

Para piorar, ficaram presas em Goyand e Paju, na província de Gyeonggi e depois foram vendidas a uma casa de prostituição por 2 milhões de Won, o equivalente a R$ 7 mil por cada. As brasileiras sofreram ameaças e foram forçadas a trabalhar para conseguir o dinheiro da passagem de volta para o Brasil.

+++LEIA MAIS: O que cada integrante do BTS tem feito durante as férias?

Apenas no dia 17 de agosto as brasileiras conseguiram entrar em contato com a embaixada brasileira, devido a um descuido de um funcionário. Depois disso, iniciou-se uma operação de resgate.

O grupo conseguiu ser salvo, e os homens foram presos e acusados de cárcere privado, tráfico de pessoas e exploração de prostituição.

+++ A playlist da Drik Barbosa - De Emicida a Erykah Badu