Buddy Guy se junta aos Rolling Stones para tocar uma cover de Muddy Waters

Parceria já havia sido registrada durante 2006, em performance retratada no documentário Shine a Light

Rolling Stone EUA Publicado em 24/06/2015, às 13h48 - Atualizado às 14h48

Mick Jagger e Buddy Guy durante show em 23 de junho de 2015, em Milwaukee, Estados Unidos
Reprodução / Instagram

Os Rolling Stones levaram um convidado bastante especial para o palco durante um show nessa terça-feira, 23, em Milwaukee, nos Estados Unidos: a lenda do blues Buddy Guy se juntou a Keith Richards e Ron Wood na guitarra para interpretar "Champagne and Reefer", de Muddy Waters.

Rolling Stones em dez videoclipes.

A performance da música do icônico Waters (com quem Guy tocou no início da carreira) já havia sido registrada por eles em 2006, para o documentário Shine a Light, de Martin Scorsese. Posteriormente, os Stones cantaram a mesma canção com John Mayer e Eric Clapton.

Assista:

O convidado deixou os espectadores em pé depois de exibir os dotes nas cordas e ainda soltou a voz no microfone, acompanhado por Mick Jagger.

Relembre dez grandes encontros da história do rock.

Outra grande surpresa da noite foi a apresentação de "Doo Doo Doo Doo Doo (Heartbreaker)", do álbum Goats Head Soup, que não era ouvida em um show dos Stones desde 2007. Os fãs colocaram a música no repertório em votação pela internet. "Paint It Black", "Dead Flowers", "Some Girls" e "Rocks Off" já haviam sido escolhidas nos espetáculos anteriores da turnê The Zip Code.

Keith Richards diz estar “pronto” para fazer novo álbum com os Rolling Stones.

A banda inglesa encerra no dia 15 de julho, em Québec, Canadá, a perna da América do Norte do tour, que comemora o lançamento de uma edição especial do álbum Sticky Fingers. Ainda não há informações oficiais, mas eles podem vir à América do Sul a seguir.

Com 16 anos de vida, 13 de guitarra e 9 de carreira, o prodígio Quinn Sullivan encantou Buddy Guy.

Os Stones não descartam, ainda, voltar em breve aos estúdios para produzir mais um disco, que seria o primeiro desde A Bigger Bang (2005).