Cadeia de lojas cria polêmica ao anunciar que não venderá CD de Frank Ocean

Target tomou decisão após iTunes vender versão digital de Channel Orange com exclusividade, mas foi acusada de preconceito pelo empresário do rapper

Rolling Stone EUA Publicado em 12/07/2012, às 12h31 - Atualizado às 13h56

BEM DIFERENTE  Fora do Odd Future, Frank Ocean tem muito brilho próprio
PRODUZIDO POR RUTH LEVY

A decisão de vender digitalmente o álbum de Frank Ocean, Channel Orange, com uma semana de antecedência pode ter atrapalhado os planos do cantor. A Target, uma das maiores lojas dos Estados Unidos, anunciou a decisão de não comercializar o disco, segundo informou a MTV News.

Leia textos das edições anteriores da Rolling Stone Brasil – na íntegra e gratuitamente!

“Nós focamos em oferecer aos consumidores uma grande variedade de CDs físicos”, afirmou a companhia em comunicado oficial. “Então nossa seleção de lançamentos dá preferência aos CDs que saíram em sua forma física aos que foram antes lançados digitalmente.”

Mas a decisão criou polêmica, principalmente porque há uma semana o rapper declarou em carta aberta que o primeiro amor de sua vida foi um homem. “A Target se recusou a oferecer o álbum de Frank por causa da exclusividade do iTunes. Interessante, até porque eles doam para organizações que não defendem os direitos iguais”, tuitou, para excluir logo depois, o empresário do cantor, Christian Clancy.

A ironia de Clancy se refere a uma doação de US$ 150 mil que a loja fez em 2010 ao Minnesota Forward, grupo conservador que apoia políticos como Tom Emmer, candidato a governador que em mais de uma oportunidade criticou a união homossexual.

A Target, por sua vez, rejeitou tal motivo, e enfatizou que não há qualquer tipo de discriminação na decisão de não vender Channel Orange: “Nossa história de apoio à diversidade inclui parceria com diversos músicos como Ricky Martin, B.o.B., e Gloria Estefan.”