Capa icônica de ‘Unknown Pleasures’ é analisada por astrofísico: 'Um dos fenômenos mais extremos da natureza'

O design da capa foi criado para o disco de estreia do Joy Division

Redação Publicado em 19/05/2020, às 14h24

None
Capa de Unknow Pleasures, de Joy Division (Foto: Reprodução)

Unknown Pleasures é o disco de estreia da icônica banda inglesa, Joy Division, lançado há 40 anos, em 15 de junho de 1979. Na capa, não há palavra ou informações explícitas, apenas um gráfico em preto e branco com 80 linhas ondulantes, como contou o Reverb.

+++ LEIA MAIS: Assista ao show sombrio do Joy Division em Manchester, um ano antes da morte de Ian Curtis [VÍDEO]

Patrick Weltevrede, pesquisador de astrofísica na Universidade de Manchester, - cidade natal da banda - explicou a partir de um experimento o conceito físico da capa com um rádiotelescópio da instituição para captar as emissões.

"O rádiotelescópio transforma as ondas de rádio em sinais elétricos, que por sua vez podem ser convertidos em ondas sonoras. Gravamos os sinais daquele mesmo pulsar, com um equipamento instalado a poucos quilômetros do estúdio onde o Joy Division gravou o disco", contou.

+++LEIA MAIS: A rápida, dolorosa e reflexiva vida de Ian Curtis, do Joy Division - 40 anos após o suicídio

De acordo com o Reverb, o gráfico que está presenta na capa do disco "traduz os sinais emitidos pelo pulsar conhecido como B1919+21". Foi com Peter Saville, designer da gravadora da banda na época, quem criou o desenho inspirado em um encontrado pelo guitarrista Bernard Sumner.

A imagem encontrada por ele foi desenhada por Harold Craft, um estudante de astronomia com a tese de pós-doutorado focada no estudo dos pulsares, feito em 1970. As linhas no desenho são 80 “flashes” de ondas de rádio emitidas pelo B1919+21.

+++ LEIA MAIS: A última entrevista de Ian Curtis, do Joy Division, antes do suicídio: ‘Queremos tocar e nos divertir’; ouça

"Quando o sinal original foi gravado, não se sabia por que alguns pulsares emitiam radiação em padrões definidos. Com a tecnologia atual, pudemos determinar que são partículas criadas por descargas elétricas. As ondas de rádio na capa de Unknown Pleasures e as ondas captadas em nossas novas imagens são causadas por ‘relâmpagos’ produzidos no espaço, a muitos anos-luz de distância. Entendemos esse tipo de ocorrência muito melhor agora, mas os pulsares ainda são um enigma – um dos fenômenos mais extremos da natureza", concluiu Weltevrede


+++ VITOR KLEY | A TAL CANÇÃO PRA LUA | SESSION ROLLING STONE