Casal recria o Submarino Amarelo dos Beatles e fãs pagam R$500 por noite

Casal da Nova Zelândia fez todo o local com objetos reciclados e trabalho manual

Redação Publicado em 25/03/2019, às 14h12

None
Reprodução do Submarino Amarelo (Foto: Keith Lovelock / Reprodução)

Um casal na Nova Zelândia oferece à seus clientes do Airbnb uma experiência única: por apenas R$ 500, você pode passar uma noite em uma réplica do Submarino Amarelo dos Beatles!

O local foi inteirinho feito à mão, e conta com camas para quatro pessoas, água encanada, eletricidade, cozinha funcional e sistema de som com, bom, músicas dos Beatles.

A ideia nasceu após Keith e Jen Lovelock comprarem um silo por cerca de R$ 3,80. Por causa de seu formato, resolveram construir um submarino. Lavaram o objeto para os limites de sua propriedade, em meio a um bosque, e o pintaram de amarelo, porque “ninguém ia querer ficar em um submarino cinza”, disse Keith ao Femail.

Depois, o operador de rádio  aproveitou diversos materiais que estavam estocados em sua garagem para recriar os aspectos próprios do Submarino. Antenas parabólicas foram fixadas nas laterais. Uma banheira serviu de torre. Um ventilador virou a hélice propulsora.

A decoração interna foi feita com painéis solares, antenas de satélites e piso como os usados em aviões. O objetivo era misturar um visual Beatles, mas sem descartar a vibe submarina da Segunda Guerra e da Guerra Fria e ainda conseguir um estilo Steampunk.

O casal Lovelock disse que diversos tipos de pessoas são atraídas. Algumas vão pelos Beatles, e outros são aficcionados por guerra ou querem se sentir na Era Vitoriana. Mas todos eles, sem excessão, entram em um mundo de fantasias. “As crianças vêm e agem como adultos, e os adultos voltam a ser crianças”, explicou Keith.

E, de modo curioso, as mulheres veem uma atração diferenciada como diversão. Um manequim do John Lennon, vestido como imediato, é constantemente alvo de brincadeiras nas quais as hóspedes tiram suas roupas para tirar fotos.

Algoritmo da Vida: novo projeto da Rolling Stone Brasil busca sintomas de depressão mas redes sociais para prevenção do suicídio: