Pulse

Cenas censuradas de Bohemian Rhapsody na China revoltam ativistas LGBTQ+

A biografia de Freddie Mercury chegou aos cinemas da China na última sexta, 22

Redação Publicado em 27/03/2019, às 11h30

None
Rami Malek como Freddie Mercury em Bohemian Rhapsody (Foto: Reprodução)

Na última sexta, 22, Bohemian Rhapsody chegou aos cinemas da China, mas teve trechos que fazem referência à homossexualidade de Freddie Mercury e seu diagnóstico de HIV censurados. 

Após o lançamento, ativistas do movimento LGBTQ+ do país criticaram a decisão do lançamento do longa sem as cenas do filme original.

O filme biográfico premiado pelo Oscar conta a história da icônica banda Queen e seu falecido vocalista Freddie Mercury até a sua famosa aparição no Live Aid, em 1985. O filme apresenta cenas que retratam Mercury beijando outros homens.

+++ Sexualidade de Freddie Mercury é cortada de Bohemian Rhapsody na estreia na China

Em anúncio a Associated Press, um ativista LGBTQ+ chinês comparou as versões após ter assistido o filme censurado em sua cidade natal e o filme original em Londres.

''As cenas realmente afetam o filme'', disse Peng, ativista do movimento. ''O filme fala sobre como ele [Mercury] se tornou ele mesmo, e a sua sexualidade é uma parte importante dessa história.''

Outras mudanças são notáveis na versão chinesa do filme, incluindo a cena em que o áudio é silenciado quando Mercury conta à banda, em um momento emocionante, que tem AIDS.

Hua Zile, editora-chefe do VCLBGT, um blog LGBTQ+ na mídia social chinesa Weibo, descreveu os cortes como "uma pena".

“Esse tipo de exclusão enfraquece sua identidade. É um desrespeito à sua experiência real e torna o personagem superficial ”, disse Hua.

+++ Produtor do Queen planeja continuação para Bohemian Rhapsody

Rami Malek ganhou o Oscar de Melhor Ator por interpretar Mercury em fevereiro. Em seu discurso, o ator disse que o sucesso do filme mostrou que "estamos ansiando por histórias como essa". "Fizemos um filme sobre um homem gay, um imigrante, que viveu sua vida apenas sem culpa", disse ele.

As emissoras chinesas foram criticadas ao censurar o seu discurso com legendas traduzindo “homem gay” para “grupo especial”.

Bohemian Rhapsody levou para casa o maior número de prêmios da noite na cerimônia, incluindo o de Melhor Montagem de Filme, Melhor Mixagem de Som e Melhor Edição de Som. O longa também foi indicado para Melhor Filme, mas perdeu para Green Book: O Guia.

Algoritmo da Vida: novo projeto da Rolling Stone Brasil busca sintomas de depressão mas redes sociais para prevenção do suicídio: