Céu apresenta Vagarosa no Rec-Beat

Cantora lotou o Cais da Alfândega, em Recife, no terceiro dia do festival

Por Patrícia Colombo, de Recife Publicado em 17/02/2010, às 17h39

A penúltima noite do festival Rec-Beat teve Céu como o destaque. A cantora apresentou faixas de Vagarosa, eleito pela Rolling Stone Brasil o melhor álbum de 2009, além de músicas de seu primeiro disco, homônimo. Sensual e segura (sem deixar de lado a tranquilidade com que canta suas músicas), Céu interagiu ao longo da noite com o público que lotava o Cais da Alfândega, ao lado do rio Capibaribe.

Além dela, Diversitrônica, Stela Campos, Madensuyu e Ojos de Brujo fizeram parte do line-up desta segunda, 15, em mais uma noite musicalmente diversificada. Saiba abaixo como foram os shows:

Diversitrônica (PE)

Os sintetizadores invadiram o palco no primeiro show de segunda, 15. A Diversitrônica, liderada pelos produtores William Paiva, Léo Domingues e Missionário José, levaram ao público que ainda estava chegando ao local um estilo eletrônico que, acompanhado de duas baterias, mostrava influências que iam de New Order e Depeche Mode às sonoridades de videogames. A música do grupo é vigorosa e conseguiu fazer com que alguns entrassem no clima e dessem início ao divertimento de mais uma noite musical. Chiados produzidos pela banda, acompanhados da imagem que simulava uma televisão sem sinal indicavam que a apresentação estava encerrada.

Stela Campos (SP)

Alternando-se entre teclado e violão, Stela Campos executou diversas faixas de seu mais recente álbum, intitulado Mustang Bar. Entre as músicas, estiveram presentes "Ligia Hello Kitty" (que tem influências tropicalistas com sua guitarra distorcida), que contou com a imagem da personagem japonesa no telão e iluminação rosa no palco, e "Mustang Bar", cuja letra fala sobre um lendário bar de Recife. Um dos pontos altos foi "Criança de Domingo", composição de Cadão Volpato (Fellini), tocada pela primeira vez ao vivo por Stela neste show. A faixa se tornou conhecida ao integrar o álbum Afrociberdelia, de Chico Science e Nação Zumbi. O show de Stela representou a transição entre o som eletrônico previamente tocado pela Diversitrônica e o rock mais pesado que estaria por vir com o Madensuyu.

Madensuyu (Bélgica)

Madensuyu é um duo (Stijn "Ylode" De Gezelle, guitarra, e PJ Vervondel, bateria), mas a sensação é de que o som produzido é proveniente de uma banda com muito mais integrantes. Os belgas se apresentaram após Stela Campos, em show de rock intenso - e iluminado, na maior parte do tempo, com cores frias que acompanhavam a sonoridade mais sombria e pesada. O baterista ganhou destaque tanto pelo seu jeito marcante de tocar quanto pelas brincadeiras e arriscadas no português que deu ao longo da noite, repetindo um simpático "Tudo bem?" cinco vezes seguidas, e fazendo alusão ao samba com "Ziriguidum!". A despedida não ficou por menos: "Madensuyu! Maracatu! Rec-Beat! Tchau!"

Ojos de Brujo (Espanha)

A música latina retornou ao palco do festival com o Ojos de Brujo. Fundindo gêneros musicais como o flamenco, o hip hop, o reggae e o rock, a banda espanhola animou a plateia e foi muito aplaudida durante a noite, fosse ao término das canções, fosse devido aos solos de baixo de Javi Martin, fosse graças às brincadeiras dos integrantes com o público. Mais do que música, o show contou também com demonstrações da dança flamenca, que foram ovacionadas. Em um dos momentos, a banda tocou "Todos Mortales", apresentada por Marina, a vocalista, como uma "rumba catalã". Algumas canções traziam mais acentuadas as influências do hip hop, outras do rock. Tudo em um show tão diversificado quanto o próprio festival.

Céu (SP)

O Cais da Alfândega estava lotado, aguardando aquela que era considerada por muitos não só a principal atração da noite, mas também um dos principais nomes dos quatro dias de festival: Céu. A cantora abriu a apresentação com "Espaçonave". Com as influências do reggae, do samba, do hip hop, entre outros estilos encontrados em seu trabalho, o setlist contou com as canções - a maioria delas acompanhada em coro pelo público - que integram seu mais recente álbum, Vagarosa, de 2009, e as de seu disco de estreia, Céu, de 2005. O show teve participações especiais do trompetista Guizado e da cantora Anelis Assumpção. Os membros de sua banda, em clima de carnaval, trajavam adereços relacionados à temática, como perucas e chapeus. Céu estava com um vestido vermelho, como uma boneca, e, calçando um tênis dourado, deu seus passos de samba em alguns momentos do show. A cantora executou "Takes Two to Tango", música de Ray Charles gravada com Betty Carter e encerrou com "Rainha", em apresentação segura e esbanjando feminilidade.