Christopher Lloyd diz que sequência de De Volta Para o Futuro deveria retratar Estado Islâmico

“Teria que ser algo determinante e atual”, opinou o ator da trilogia em entrevista

Redação Publicado em 21/10/2015, às 10h46 - Atualizado às 19h46

Cena do filme De Volta Para o Futuro (1985)

Ver Galeria
(3 imagens)

O dia 21 de outubro de 2015 é especial para os fãs da saga De Volta para o Futuro por ser justamente a data em que Marty McFly (Michael J. Fox) chega ao futuro. A efeméride, que será comemorada com exibições em salas de cinema do Brasil, também deixou o elenco da trilogia saudoso.

Dez viagens no tempo: de Harry Potter a De Volta para o Futuro.

Christopher Lloyd, o intérprete do Doutor Emmett Brown, responsável por enviar McFly para o futuro, sugeriu inclusive uma sequência para a trilogia e tem ideias elaboradas para o possível roteiro.

“Sempre existe o perigo de sequências sem conexão com o filme original”, disse o ator ao jornal USA Today. “Então, teria que ser algo determinante e atual: falando do Estado Islâmico, da mudança climática ou algo radical e que tenha urgência”.

“O futuro só depende de você. Então faça direito!” #BTTF2015

Posted by Paramount Home BR on Wednesday, October 21, 2015

A ideia, no entanto, não é vista com bons olhos pelo diretor dos três longa-metragens de De Volta para o Futuro, Robert Zemeckis. Dono dos direitos do filme ao lado de Bob Gale, com quem escreveu o roteiro dos longas lançados em 1985, 1988 e 1989, Zemeckis está disposto a impedir que qualquer ideia de continuação da história seja levada adiante.

Os 25 melhores filmes da década de 1980, segundo os leitores da Rolling Stone EUA.

“Isso não pode acontecer até que Bob e eu estejamos mortos. E então, eu tenho certeza de que vão tentar fazer, a menos que nosso espólio impeça”, declarou Zemeckis, que tem 64 anos, ao jornal britânico The Telegraph.

Dedo no botão de pause: dez cenas com erros, curiosidades e bizarrices escondidas que nos fazem parar e voltar mil vezes.

“Quer dizer, para mim, isso é um ultraje. Especialmente a partir do momento que é um bom filme. É como dizer, ‘Vamos fazer outro Cidadão Kane. Quem vai fazer o papel de Kane? O quão tolo, o quão insano isso é? Por que alguém faria isso?”.