Coachella adia datas de abril para outubro de 2020 por surto de Coronavírus

O festival da Califórnia recebe 250 mil pessoas - Condado de Riverside adiou eventos de grande porte locais

Redação Publicado em 10/03/2020, às 20h34

None
Coachella (Foto: Amy Harris / Invision / AP)

Coachella, um dos principais festivais internacionais, ganhou nova data nesta terça, 10, como prevenção do Coronavírus. Agora, acontecerá entre os dias 9 e 11 de outubro e entre 16 e 18 do mesmo mês. O festival Stagecoach também ganha nova data: entre 23 e 25 de outubro.

A decisão é uma medida de emergência do Condado de Riverside, Califórnia, EUA, local onde ambos os festivais acontecem. Em comunicado oficial, o município informou:

+++ LEIA MAIS: Kiss cancela meet and greet por Coronavírus - o que acontece com ingressos de R$16 mil no Brasil?

"Embora essa decisão venha em tempos de incerteza universal, consideramos a segurança e saúde de nossos convidados, trabalhores e comunidade seriamente. Ansiamos por seguir as orientações e protocolos dos oficiais de saúde pública. 

Antes, os festivais aconteceriam em abril. Na sexta, 13, as empresas devem informar a quem já comprou ingressos as possibilidades de ou manter as entradas ou serem reembolsados.

+++ LEIA MAIS: 1 a cada 3 norte-americanos não bebe cerveja Corona ‘de jeito nenhum’ por causa do Coronavírus

Coachella e Stagecoach são dois dos maiores eventos afetados pela epidemia de Coronavírus, mas não os únicos. Nesta semana, o SXSW cancelou as datas (pela primeira vez em 34 anos).

Cannes, principal evento de cinema, também corre risco de cancelamento depois da França proibir quaisquer reuniões com mais de 1 mil pessoas. O ministro da saúde do país, Olivier Veran, porém, explicou que o governo pode abrir excessões a "eventos utéis aos interesses da nação".

+++ LEIA MAIS: Clássico do My Chemical Romance é forma perfeita de prevenir Coronavírus; entenda

Aqui no Brasil, o principal risco, por ora, é o Lollapalooza - que acontece entre 3 e 5 de abril. Outros países sul-americanos, como o Chile, estudam cancelamento, mas não há ainda previsão de que o Ministério de Saúde ou a Secretaria de Saúde de São Paulo tomarão alguma medida preventiva.