Cofundador da Sub Pop, gravadora ícone do grunge, está com mal de Parkinson

Jonathan Poneman criou o selo ao lado de Bruce Pavitt em 1986 e apostou em bandas como Nirvana, Soundgarden e Mudhoney

Rolling Stone EUA Publicado em 04/06/2013, às 11h55 - Atualizado às 19h19

Jonathan Poneman
AP

Jonathan Poneman, cofundador da gravadora Sub Pop ao lado de Bruce Pavitt e fundamental para levar bandas como Nirvana e Mudhoney ao estrelato, foi diagnosticado com mal de Parkinson, reportou o The Seattle Times.

Em entrevista ao jornal, Poneman disse que começou a desacelerar e ter problemas com a mão direita há alguns anos. Foi somente quando um amigo radiologista questionou sobre a saúde dele que Poneman percebeu: “Eu não posso mais negar isso”.

O diagnóstico, segundo ele, trouxe sentimentos ambíguos de “alívio”, ansiedade e medo sobre o que esperar do futuro. “Você fica tendo esses pensamentos mórbidos”, disse Poneman. “E, então, percebe que se as coisas vão indo embora, mas elas não vão imediatamente.”

Desde a detecção da doença, Poneman encontrou um novo sentimento de propósito, descobrindo um senso de espiritualidade, tornando-se atento às pessoas ao redor e casando-se com a namorada de longa data Magdalena Panak.

O diretor da Sub Pop também não deixou de ir à gravadora, na qual ele criou um estacionamento de bicicleta em seu escritório – o exercício pode ajudar com os sintomas do Parkinson e não possui efeitos colaterais – e ainda é presença garantida em shows e festivais, embora, como ele mesmo destacou, esteja “menos inclinado a ir para frente, já que sou um pino de boliche humano”.

Ele também está ajudando a organizar a celebração de 25º aniversário da Sub Pop, um festival gratuito apelidado de “Silver Jubilee”, realizado em Georgetown, em Washington, no dia 13 de julho. Além de shows de Mudhoney, J Mascis e Father John Misty, o festival também organizará uma campanha em busca de doações para a fundação Northwest Parkinson's Foundation. “Eu aceito que tenho essa doença”, disse ele. “Mas isso não me dá o direito de ser passivo.”