Collor se desculpa por confisco de poupança - mas explica que era o dever do governo dele

O ex-presidente publicou uma série de tuítes sobre o assunto nesta segunda, 18

Redação Publicado em 18/05/2020, às 17h13

None
Fernando Collor de Mello (Foto: Reprodução/Facebook)

Fernando Collor de Mello, o ex-presidente do Brasil, usou as redes sociais, nesta segunda, 18, para pedir desculpas pelo confisco de poupanças e contas-correntes em março de 1990 durante o governo dele, via Folha de S. Paulo

+++LEIA MAIS: Ministro da Saúde Nelson Teich pede demissão do governo Bolsonaro

Pelo Twitter, em uma sequência de tuítes sobre o assunto, o ex-presidente afirmou que foi uma "decisão dificílima" tomada apenas para tentar conter a hiperinflação da época, que chegava em 80% ao mês.

"Os mais pobres eram os maiores prejudicados, perdiam seu poder de compra em questão de dias, pessoas estavam morrendo de fome", escreveu Collor, que atualmente é senador por Alagoas.

+++ LEIA MAIS: Camila Pitanga ataca Bolsonaro de jet-ski durante pandemia: ‘Genocida’

Ele continuou: "Sabia que arriscava ali perder a minha popularidade e até mesmo a Presidência, mas eliminar a hiperinflação era o objetivo central do meu governo.". Além disso, Collor também disse que acredita que as "medidas radicais eram o caminho certo".

Veja os tuítes:

+++ LEIA MAIS: Bolsonaro e filho Carlos atacam Moro após publicação de trechos de reunião: ‘Game over’

Para "controlar a inflação", como explicou o ex-presidente, o Plano Collor limitou os saques a 50 mil cruzeiros. Ainda, prometeu que este dinheiro seria desbloqueado um ano e meio após o congelamento. Só em 1994, no entanto, a inflação pode ser controlada a partir do Plano Real - e a perda do dinheiro dos poupadores são discutidas na Justiça até hoje, como lembra a Folha de S. Paulo.


+++ VITOR KLEY | A TAL CANÇÃO PRA LUA | SESSION ROLLING STONE