Com clipe de "Invenção", Boogarins cria metáfora do experimento científico para falar da própria criação

Faixa lançada nesta quinta-feira, 11, indica amadurecimento da banda de Goiânia e mostra caminho do novo disco, Sombrou Dúvida, que chega dia 10 de maio

Pedro Antunes Publicado em 11/04/2019, às 16h00

None
Banda Boogarins (Foto: Rodrigo Zan)

Há menos de um mês para o lançamento do quarto disco dos Boogarins, chamado Sombrou Dúvida, previsto para sair no dia 10 de maio, com distribuição dos selos LAB 344 (no Brasil) e OAR (no exterior), é possível esperar de tudo.

Quando o termo "metamorfose ambulante" puder ser usado novamente sem soar extremament piegas, lá estará para acompanhar a constante transformação banda de Goiânia ao longo de seus discos. Cada álbum é consequência do anterior, mas nenhum é uma evolução óbvia.

É o que mostra "Invenção", novíssima canção do quarteto, lançada na nesta quinta-feira, 11, acompanhada de um clipe revelado, em território brasileiro, com exclusividade pela Rolling Stone Brasil - assista ao final do texto.

Com um exímio trabalho de recortes, samples e incrivelmente orgânica, a nova chegada "Invenção" difere de "Sombra ou Dúvida", primeiro single do trabalho, uma canção mais dentro do padrão da canção, com os vocais de Dinho Almeida acima do instrumental - ao menos no início, já que o meio da faixa é povoado por mais sons eletrônicos.

Ouça Sombra ou Dúvida, single já lançado pelos Boogarins: 

"Invenção" faz uso de vocais mais ecoados, longos, com sobreposições. Sua construção, conta Benke Ferraz, guitarrista e produtor, vem de colagens e recriações. O Boogarins olha para dentro de si, de suas próprias histórias músicas, para encontrar caminhos diferentes aqui.

Ruidosa, a faixa, por exemplo, tem a melodia do refrão de "Princesa", música do disco de mesmo nome da banda Carne Doce, assinada pela vocalista do grupo Salma Jô e Almeida. A bateria eletrônica já foi ouvida em "Lvco 4", canção da versão estendida de Lá Vem a Morte, o terceiro álbum dos Boogarins, e também lançada como single.

"Invenção" é traiçoeira, no sentido bom da palavra, ao instigar o ouvido a buscar outras referências, ao mesmo tempo que entrega o novo. As linhas de beat quebradas, acompanhadas de uma linha de guitarra mais desnuda, entregam um choque entre o esperado e o inesperado.

É o que diz a letra cantada por Almeida, afinal. Ela chegou em partes e, cada um deles, acrescentou ideias, tomando uma forma "grandiosa", como o vocalista diz à Rolling Stone Brasil. "Ela tomou outra dimensão, ganhou mais de um significado."

"Invenção", dos Boogarins, é sobre resignificar sentidos e sensações. Para ir para o ambiente audiovisual, o grupo atuou a partir do roteiro de Raphel Vaz, baixista da banda, imersos em um experimento, como cirurgiões ou cientistas. Estão em busca do novo, como os quatro Boogarins na criação do seu disco. O vídeo tem a direção de Gabriel Rolim e iluminação de Hugo Aboud.

Ouvir as duas faixas é pisar por um corredor escuro, no qual não há luz para se enxergar o caminho tomado pela banda no novo disco, gravado em 2017, no estúdio Space Atx, em Austin, Texas (EUA).

"Tem muito do lance de experimentação, de mix, sonoridades, texturas, mesmo", conta Ferraz.

Para ele, as duas músicas já lançadas, "Sombra ou Dúvida" e "Invenção" dialogam com o que o grupo fez em estúdio, nos discos As Plantas Que Curam (2013), Manual, ou Guia Livre de
Dissolução dos Sonhos (2015) e Lá Vem A Morte (2017), mas também com o que fazem no palco, espaço no qual cada canção toma uma direção diferente da outra.

"É um disco que mostra o amadurecimento de sonoridades", explica o guitarrista.

Assista ao clipe de Invenção", dos Boogarins:


Sombrou Dúvida
, quarto álbum dos Boogarins, será distribuído pelos selos LAB 344 (no Brasil) e OAR (no exterior) a partir de 10 de maio. Veja a tracklist do disco abaixo:

1 - As Chances
2 - Sombra ou Dúvida
3 - Invenção
4 - Dislexia ou Transe
5 - A Tradição
6 - Nos
7 - Tardança
8 - Desandar
9 - Te Quero Longe
10 - Passeio