Com o sucesso de Stranger Things, David Harbour se sente à vontade para falar sobre sua bipolaridade

Harbour foi diagnosticado com transtorno bipolar na infância e sentia medo de não conseguir trabalhar como ator

Redação Publicado em 24/04/2019, às 11h30

None
David Harbour (Foto: Evan Agostini / Invision / AP)

Aos 20 anos, David Harbour, que interpreta o xerife Jim Hopper em Stranger Things, foi diagnosticado com transtorno bipolar e, pela primeira vez, falou publicamente sobre a sua luta e o quanto temia não ser contratado.

Em entrevista para a revista britânica GQ, ele revela: "Como ator, você fica preocupado em ser contratado, mas agora cheguei em um lugar que posso falar sobre isso." "Além disso, estou na faixa dos quarenta anos, posso ser eu mesma, trabalhando ou não.", completa o ator.

+++ Solta o riff! Rolling Stone Brasil vai premiar o melhor riff com prêmios exclusivos no Instagram 

Harbour, que está assumindo o papel de protagonista no reboot de Hellboy, espera que após falar abertamente sobre a sua condição, consiga oferecer maior apoio e inspiração para outras pessoas que passam pela mesma situação.

"O maior motivo de entrar nisso foi imaginar uma mãe tirar a criança da escola quando ela é diagnosticada com transtorno bipolar. A mãe sente como se fosse uma sentença de morte, que aquela criança nunca fará parte da sociedade, que eles sempre estarão no sofá comendo pizza, e em momentos da minha vida, eu fui esse rapaz."

O ator também encoraja as pessoas a se apropriarem daquilo que os torna neuroatípicas. "Eu não estou bem, mas pelo menos estou contribuindo. Eu luto diariamente. Você tenta normalizar, mas a não normalização é interessante também."

"Abrace sua neuroatipicidade! Querer agir como se você fosse é o mesmo que todo mundo é uma grande mentira e fica entalado em você. As doenças mentais são amplamente mal entendidas na sociedade", completa Harbour.

Os novos episódios da terceira temporada de Stranger Things chegam a Netflix no dia 4 de julho. Assista o trailer: 

 

+++ Entrevista RS: Di Ferrero fala sobre música pop, vida pós-NX Zero e projeto engavetado com Emicida: