Pulse

Com Scorpions, Whitesnake e Europe, Rockfest mostra a força das baladas românticas com cheiro de naftalina [ANÁLISE]

Festival foi realizado neste sábado, 21, no palco do Allianz Parque, em São Paulo, e contou ainda com Helloween e a a brasileira Armored Dawn

Felipe Branco Cruz Publicado em 22/09/2019, às 09h11

None
Scorpions no festival Rockfest, realizado em São Paulo (Fotos: Ricardto Matsukawa / Mercury Concerts)

Se ninguém avisasse ao público do Allianz Parque, neste sábado, 21, que ali estava rolando o Rockfest, facilmente alguém poderia imaginar que os alto-falantes do estádio estavam sintonizados numa dessas rádios românticas bem no momento de programas como "Um Toque na Saudade".

O festival trouxe para São Paulo algumas das principais atrações mais roqueiras do Rock in Rio, como Helloween, Whitesnake e Scorpions, além de Europe e a brasileira Armored Dawn.

Exceto pelo Helloween, que fez o show mais pesado da noite, o público ouviu (e cantou muito) "Carrie" e "Final Countdown", do Europe, "Is This Love" e "Here I Go Again", do Whitesnake, e "Still Love You" e "Wind of Change", do Scorpions. Foi hit atrás de hit.

Não por acaso, todas as bandas traziam consigo uma longeva experiência de palco. O Helloween, caçula do festival, por exemplo, já tem quase 35 anos de estrada e Scorpions  acumula quase 55 anos de existência. Com um lineup desses, o resultado foi menos metaleiro e mais paz e amor, com uma sucessão de baladas românticas para cantar juntinho e namorar.

Quem chegou cedo assistiu ainda à banda brasileira Armored Dawn, que subiu ao palco às 16h15, porém com o estádio ainda bastante vazio. O grupo surpreendeu e entregou uma apresentação segura e uma homenagem a Andre Matos, que morreu em junho deste ano.

Os shows

Ainda com o estádio pela metade e com o dia claro, o Europe (foto abaixo, Ricardo Matsukawa/Mercury Concerts) apresentou a sua turnê comemorativa de 30 anos do álbum "The Final Countdown". O hit, é claro, era um dos mais aguardados pelo público. Carismático, Joey Tempest conversou bastante com a plateia e até soltou um "Caralho", após perceber que o público sabia cantar todas as músicas.

Na sequência, Helloween fez o show mais pesado da noite, com seus três vocalistas: Michael Kiske, Andi Deris e Kai Hansen se intercalando nos microfones. O grupo estava completamente entrosado e visivelmente se divertindo com a apresentação. A troca de vozes entre Kiske e Deris era orgânica e os dois não economizaram nos agudos. Clássicos como "How Many Tears", "Ride The Sky" e "I Want Out" (que encerrou a apresentação) foram os responsáveis pelos momentos mais "bate cabeça" do festival.

Responsável por substituir o Megadeth, o Helloween (foto abaixo, Ricardo Matsukawa / Mercury Concerts),  aproveitou também para homenagear Dave Mustaine, que cancelou todos seus shows no Brasil por estar em tratamento contra um câncer na garganta. Kiske e Deris lembraram ao público que estavam ali para ocupar o espaço deixado pelo Megadeth, jamais para substituí-lo.

Aniversário no palco

O clima de festa continuou com o Whitesnake, uma das bandas mais aguardadas da noite, com David Coverdale celebrando seu aniversário de 68 anos no palco e usando uma jaqueta com a bandeira do Brasil estilizada com o logo do grupo. Mais cedo, aliás, Coverdale já havia divulgado no Twitter uma foto ao lado do vocalista do Scorpions, Klaus Meine, e um bolo com a logo da banda.

+++ ENTREVISTA: David Coverdale não pensa em aposentadoria para o Whitesnake: 'Minha esposa não deixa' 

Mas no palco, o aniversariante não quis monopolizar as atenções abrindo espaço para um dos momentos mais memoráveis da noite, o solo de bateria de Tommy Aldridge. Lá pelas tantas, super empolgado, Aldridge jogou as baquetas fora e tocou o solo com as mãos. As guitarras também tiveram seu momento de brilhar, Reb Beach e Joel Hoekstra se intercalaram num solo de quase cinco minutos emendando com "Shut Up & Kiss Me".

No final da apresentação do Whitesnake, a organização do festival anunciou oficialmente o show do Kiss, também no Allianz Parque, em maio de 2020. O anúncio foi feito por meio de um vídeo promocional exibido no telão. Assista aqui.

O Scorpions, em sua nona passagem pelo Brasil, foi a principal atração da noite. O grupo apresentou o show mais completo do festival, com telões e efeitos especiais, inclusive com uma plataforma suspensa para o solo acelerado de Mikkey Dee, o ex-baterista do Motörhead.

Aos 71 anos, a voz anasalada de Klaus Meine já não é a mesma de outros tempos, mas o cantor segurou bem os difíceis agudos de "The Zoo", "Big City Nights" e, claro, de seus dois maiores sucessos, "Rock You Like A Hurricane" e "Stilll Loving You", que encerraram a noite.

Atrações do Rock in Rio, Whitesnake se apresenta no festival fluminense em 28/09 (numa noite que terá Foo Fighters e Weezer), e Helloween e Scorpions, em 4/10 (ao lado de Iron Maiden e Sepultura).