Como clássico dos Beatles ajudou Caetano Veloso ter esperança na prisão pela ditadura militar: ‘Anúncio de libertação’

Cantor contou a história no documentário Narciso em Férias

Redação Publicado em 14/09/2020, às 08h49

None
Caetano no trailer de Narciso em Férias (Foto: Divulgação/UNS produções)

O documentário Narciso em Férias, que conta o período de quando Caetano Veloso foi preso pela ditadura militar brasileira, estreou no Brasil e nele, o cantor revelou como clássico dos Beatles o ajudou a ter esperança durante prisão (via Gshow). Ele definiu o suporte da música como "anúncio de libertação".

Vale lembrar que o documentário está disponível no Globoplay e foi selecionado para o 77º Festival de Veneza. Quando foi preso, em 1968, Caetano estava no apartamento situado em São Paulo e foi levado ao Rio de Janeiro pelos militares, onde passou por momentos conturbados. Durante determinado momento de Narciso em Férias, o artista falou de como "Hey Jude", dos Beatles, serviu  como recuperação do otimismo dele.

+++LEIA MAIS: Caetano Veloso relembra época da prisão: 'Parecia que nunca mais eu ia sair'

"Eu fiquei muito supersticioso e, [em um determinado momento], eu voltei a acreditar na vida que eu tinha lá fora", constatou. "Alguns soldados tinham rádio de pilha e, às vezes, eu ouvia a música que estava tocando".

Caetano também falou de superstições, como por exemplo: "Eu tinha medo de barata, por exemplo, e aparecer uma era um sinal horrível de mau agouro, más notícias no futuro". Também tinham "as canções que tocavam, algumas podiam ser negativas e positivas". "Hey Jude", por exemplo, era uma das músicas positivas.

+++LEIA MAIS: A vez em que Nirvana e Kurt Cobain jogaram futebol com um grupo de strippers

"Quando tocava, era sinal de que ia melhorar minha situação. Os portões iam se abrir, a luz ia ser vista de novo", explicou. "Aquele final, com aquele coral repetido, os acordes maiores.. eu tomava aquilo como sendo um anúncio de coisas boas. Me dava a impressão de anúncio de libertação".


+++ BK' lança novo disco e fala sobre conexão com o movimento Vidas Negras Importam: 'A gente sabia que ia explodir'