Como Dave Grohl acidentalmente disparou fogos de artifício na mãe dele?

"Caos, pânico e terror", é assim que o vocalista descreve o momento em que a viu a paixão pelos itens quase machucar a própria mãe

Redação Publicado em 26/03/2020, às 17h22

None
Dave Grohl durante show (Foto: Greg Allen/AP)

No início da semana, Dave Grohl, vocalista do Foo Fighters, divulgou a nova conta do Instagram (@davestruestories) na qual revela histórias hilárias sobre a própria vida. A primeira, publicada nesta quinta, 26, Grohl relembra o amor de longa data por fogos de artífico e como essa obsessão levou a uma situação de pânico, caos e terror. 

Na época em que o Foo Fighters gravava o terceiro disco, There Is Nothing Left To Lose, o músico estava voltando para a cidade natal, em Virgínia, onde os integrantes da banda montavam um estúdio em casa. 

+++ LEIA MAIS: Dave Grohl ouvia ‘death metal satânico’ com a mãe aos 14 anos: ‘Sabia que era o caminho dele’

Antes de chegar ao estúdio, Grohl encontrou uma enorme loja de fogos de artifício. "Um maldito supermercado de fogos de artifício! Você pode imaginar? Corredor após corredor com estrelinhas, foguetes, mísseis, velas, bombas de fumaça, giradores aéreos, tipo, que maravilha!". 

O músico conta que decidiu usar os fogos no Dia da Independência dos Estados Unidos, 4 de julho, e que esse foi "o pior cenário de todos". Grohl não havia estabilizado o item antes de acendê-lo e os fogos tombarão para a multidão. 

+++ LEIA MAIS: 7 atitudes de Dave Grohl que provam como ele é o cara mais legal do rock

"Preciso dizer mais? Vi cadeiras do gramado voando. Avós correndo. Crianças gritando. Mil explosões ao nosso redor. Pânico. Caos. Caos. Anarquia. Terror". 

"Tudo o que me lembro é de ter visto na espessa nuvem de fumaça e foi a visão da minha doce mãe correndo e se escondendo atrás de uma árvore. Foi uma merda".

No final do post, Grohl conta que nunca mais tocou fogo de artifício. Veja a publicação abaixo:

+++ LEIA MAIS: 7 frases do Dave Grohl que provam que ele é um paizão


+++ CORONAVÍRUS: DEVEMOS REALMENTE CANCELAR SHOWS E EVENTOS?