Como é a contenção do coronavírus nos presídios dos EUA?

A doença foi reclassificada como pandemia nesta semana

Redação Publicado em 14/03/2020, às 08h00 - Atualizado às 09h40

None
Contágio (foto: Reprodução / Warner)

Com eventos cancelados em todo o mundo - e grandes reuniões desencorajadas - as prisões estão tentando impedir a propagação do COVID-19. As cadeias da Califórnia recentemente dispensaram visitas diárias, assim como de Minnesota e Flórida. Nova York implementou medidas próprias para rastrear os visitantes mais ativamente.

+++LEIA MAIS: Prefeitura de São Paulo ordena cancelamento de eventos públicos em São Paulo - inclusive shows e festivais - por coronavírus

Ainda assim, especialistas não estão convencidos da eficácia das medidas para impedir a disseminação do COVID-19 nas instalações - e, se ocorrer, estão preocupados com o fato de as prisões não estarem equipadas para lidar com isso.

Na segunda, 9, no estado de Nova York - onde o governador Andrew Cuomo emitiu estado de emergência - o Departamento de Correções(DOCCS) divulgou um comunicado com novos protocolos para visitantes e alertando para o aumento do tempo de espera nas 54 instalações. 

+++ LEIA MAIS: Lollapalooza 2020 é adiado como medida de prevenção contra coronavírus

"A saúde da equipe, indivíduos encarcerados, visitantes e voluntários é de extrema importância, e esse procedimento está sendo implementado proativamente de modo a evitar a introdução do COVID-19 nas instalações do Departamento", dizia o comunicado.

Todos os visitantes responderão a uma série de perguntas na chegada sobre quaisquer doenças ou sintomas; viagens recentes e de familiares; e se foram expostos diretamente a alguém diagnosticado com COVID-19

+++ LEIA MAIS: Coronavírus pode custar mais de R$ 22 bilhões à indústria cinematográfica mundial; entenda

“O Departamento continua comprometido em garantir que família e amigos possam visitar os entes queridos, com o mínimo possível de interrupções no processo normal de visitas, além de trabalhar ativamente para impedir a propagação do COVID-19 no estado de Nova York”.

Apesar das medidas de rastreamento dos visitantes quanto ao coronavírus, alguns especialistas, como o Dr. Homer Venters, Presidente dos Serviços de Saúde Correcional Orientados à Comunidade, temem que esses esforços não sejam extensos o suficiente. 

+++LEIA MAIS: Grey’s Anatomy pausa produção por receio de coronavírus

"Se você olhar para os grupos de pessoas que passam por ambientes correcionais, você tem as pessoas encarceradas e os visitantes. Não acredito que seja uma má ideia rastrear os visitantes, mas você também deve fazer o mesmo entre os funcionários. A rotatividade diária é muito maior entre os funcionários que estão chegando ao trabalho do que entre as pessoas recém-detidas ou mesmo entre os visitantes", disse à Rolling Stone EUA.

“Quando vejo esse tremendo foco nos visitantes, isso me lembra outras coisas com as quais nos preocupamos na prisão, como o contrabando”, acrescentou. "Minha experiência é que, quando o foco exclusivo está na detecção e na eliminação do contrabando por visitas, perdemos o que está bem na frente deles."

+++LEIA MAIS: Tom Hanks, ainda em quarentena na Austrália, publica atualização sobre estado de saúde

O Dr. Homer Venters acrescentou: "Se eles sentem a necessidade e se têm uma boa razão baseada em evidências para interromper as visitas, o que estão fazendo para compensar isso?", adicionou. "Eles estão aprimorando a visita em vídeo, por exemplo? É importante que eles estejam pensando sobre isso. Não apenas: 'Oh, ok, vamos retirar o apoio que é realmente importante para as pessoas que estão nas prisões e prisões'".

A Dra. Lipi Roy, ex-Chefe de Medicina de Dependência das prisões da cidade de Nova York, incluindo Rikers Island, falou sobre a situação em artigo recente publicado na Forbes: "Instalações correcionais - prisões, prisões e centros de detenção - são o terreno fértil perfeito para a disseminação de doenças infecciosas de qualquer tipo - viral, bacteriana, fúngica, etc".

+++LEIA MAIS: Usuários do Spotify criam playlist temática para quarentena de coronavírus: Britney Spears, Ramones e muitos outros

Roy acrescentou que as clínicas geralmente têm falta de pessoal e os cuidados com a saúde são precários quando comparados ao recebido pelas pessoas do lado de fora. Além disso, o desinfetante para as mãos é considerado contrabando em muitas instalações, pois contém álcool.

Na segunda-feira, o governador Andrew Cuomo revelou que Nova York estaria produzindo seu próprio desinfetante para as mãos, embalado por prisioneiros. Mais de 100.000 galões por dia serão produzidos para escolas e prédios do estado. Cuomo também disse que seria distribuído às prisões, mas não especificou se seria disponibilizado aos reclusos; o Departamento de Correções não respondeu imediatamente a um pedido de comentário.

+++LEIA MAIS: Di Ferrero, ex-NX Zero, revela diagnóstico de coronavírus

O produto é embalado por prisioneiros da Corcraft Products, um braço do Departamento de Correções e Supervisão Comunitária que fabrica vários produtos usando mão-de-obra prisioneira. A Corcroft Products não respondeu imediatamente ao pedido de comentário da Rolling Stone EUA

A Dra. Lipi Roy destacou no artigo que algumas instalações estaduais estão sendo proativas: "O Departamento de Prisões da Filadélfia colocou uma quarentena médica para indivíduos que entraram em no sistema", escreveu ela.

+++LEIA MAIS: A Peste, livro de Albert Camus, é um dos livros mais vendidos na era do coronavírus

+++ SESSION ROLLING STONE BRASIL: DELACRUZ - ANESTESIA