Como Ellie Kemper virou a 'Rainha da KKK' no Twitter

A estrela de The Office e Unbreakable Kimmy Schmidt foi vinculada a um grupo de supremacia branca após uma foto dela viralizar no Twitter

EJ Dickson, Rolling Stone EUA Publicado em 06/06/2021, às 16h00

None
Ellie Kemper (Foto: Getty Images/Neilson Barnard/Equipe)

Quando falamos sobre a cultura do cancelamento, como fazemos com frequência em 2021, existem duas escolas de pensamento: a primeira, frequentemente defendida pelos bajuladores e direitistas do tipo Ben Shapiro, diz como essa cultura é uma fera incontrolável que deve ser derrotada, uma consequência de esquerdistas com fome de poder, os quais correm loucamente na internet sem pensar nas vidas destruídas.

A segunda é: "cultura do cancelamento," como pensamos, não existe tanto quanto a mídia social trouxe um cálculo muito necessário para as pessoas com crenças prejudiciais e ultrapassadas.

+++LEIA MAIS: Sósia de Marilyn Monroe que mora na casa da atriz acredita que local é assombrado

Mas, talvez, haja uma terceira escola de pensamento a respeito da cultura do cancelamento. O problema pode não ser essa cultura em si - nem os analistas de direita usando-a cinicamente como uma ferramenta para incitar ódio, nem os próprios defensores disso - mas são as plataformas responsáveis por preparar o terreno para o cancelamento, o qual amplifica narrativas incendiárias mal comprovadas, sem qualquer consideração de contexto.

Esta foi a minha conclusão imediata do recente cancelamento de Ellie Kemper, estrela de The Office e Unbreakable Kimmy Schmidt, quem viralizou após fotos dela aparecerem em um noticiário local, quando tinha 22 anos, sobre ela ser coroada a rainha de um concurso em St. Louis, Missouri.

+++LEIA MAIS: Coronavírus ‘não deu chance’ para Eddie Van Halen se recuperar de câncer, desabafa filho do guitarrista

O concurso em questão foi o Veiled Prophet Ball ("Baile do Profeta Velado," na tradução livre), cerimônia de 140 anos patrocinada por uma sociedade semissecreta composta por líderes brancos e ricos, foi fundada por um ex-cavaleiro confederado em 1878.

A Rainha do Amor e da Beleza, como Kemper foi coroada em 1999, é uma donzela virginal selecionada entre a lista de jovens debutantes, as quais vão ao baile e são acompanhadas por "pajens." Graças a uma resposta a um tweet sobre o próprio baile do Profeta Velado, no qual um nativo de St. Louis disse como era um "evento chique organizado pela Ku Klux Klan (KKK) local," circulou a falsa narrativa sobre a atriz ter sido eleita a "Rainha da KKK."

+++LEIA MAIS: Por que a Paige de Young Sheldon parece tão familiar?

É importante notar: as raízes do evento são indiscutivelmente problemáticas, mas, até onde qualquer um pode dizer, não estão ligadas com a KKK. Conforme explicado por um artigo da Atlantic de 2014, o baile foi fundado explicitamente como uma forma de estabelecer o domínio da classe alta, masculina e branca sobre os membros negros e brancos pobres do sindicato.

O evento atraiu intensas críticas de ativistas na cidade por anos, inclusive do grupo local ACTION (Action Committee to Improve Opportunities for Negroes), a qual agiu, em 1972, para desmascarar o Profeta Velado. (O carro pertencente a um dos ativistas foi posteriormente bombardeado e sua casa foi vandalizada.)

+++LEIA MAIS: 6 filmes de sucesso que foram baseados em fatos reais: de Bohemian Rhapsody a Prenda-Me se For Capaz [LISTA]

Embora o Baile do Profeta Velado tenha começado a admitir membros negros em 1979 e tentado se reformular, continua como foco de ativistas de St. Louis, os quais criticam por reforçar as estruturas de poder racistas na cidade. (Os mantos brancos e chapéu pontudo apresentam uma semelhança infeliz com o uniforme do grupo de ódio, mas o evento antecede a KKK, adotando as vestimentas por algumas décadas.)

No entanto, esta não foi a história circulada no Twitter quando as fotos de Kemper vazaram, com quase todos os tuítes virais sobre o assunto chamando-a de Rainha da KKK. Isso foi, em parte, resultado da tendência do nome de Ellie Kemper, o qual teve cerca de 50 mil menções no site, segundo dados de Darren Linvill, professor e estudante de plataformas e desinformação na Universidade Clemson.

+++LEIA MAIS: Esquadrão Suicida também desapontou elenco, informa Joel Kinnaman

Os tópicos de tendência no Twitter são determinados por algoritmos, mas, desde 2020, em resposta às críticas sobre tendências manipuladas por malfeitores para amplificar a desinformação, a rede social também começou a usar uma equipe de curadoria humana para adicionar contexto a uma tendência na forma de um título, breve resumo e alguns tuítes exemplares.

Embora a descrição do Twitter sobre a história de Kemper fosse bastante objetiva, muitos dos principais tuítes da tendência continuaram a promover a ideia dela ser uma "rainha do concurso KKK;" também incluiu tweets de provocadores de direita, como Shapiro e Matt Walsh.

+++LEIA MAIS: Tom Holland pediu para Marvel incluir cena de sexo em Homem-Aranha

Como o jornalista Charlie Warzel escreveu em boletim informativo, o efeito do algoritmo do Twitter amplificando a conversa e as tentativas da equipe de curadoria de desempacotá-lo não podem ser subestimados. Isso porque, em um esforço para tornar a história mais coerente, atraiu incalculavelmente mais atenção para os tuítes responsáveis por espalhar a desinformação em primeiro lugar.

Devido à relação simbiótica entre as plataformas e mídia, isso acabou sendo exatamente como aconteceu, com inúmeros veículos de notícias (Slate, Huffington Post e Cut) publicando materiais quase idênticos - e otimizados pelo Google - sobre a história do Baile do Profeta Velado. Todos conseguiram capitalizar a viralidade da história, acrescentando apenas um pouco mais de contexto.

+++LEIA MAIS: Ex-Guns N’ Roses, Gilby Clarke comenta relação com Axl Rose: ‘Sempre serei amigo dele’

Como Ellie Kemper não comentou a polêmica, é difícil argumentar em defesa dela - ou afirmar como as críticas ao envolvimento dela com o evento são injustas. No mínimo, é justo sugerir: uma estudante de Princeton de 19 anos, no final dos anos 1990, poderia ter inserido o nome do concurso em AskJeeves ou algo do gênero, para saber mais sobre.

Porém, vale a pena perguntar exatamente o motivo de certas conversas incendiárias ganharem força nas plataformas sociais sobre outras, mais matizadas, mas indiscutivelmente mais valiosas.

+++LEIA MAIS: Como experiência de quase morte inspirou nova série de Stephen King?

Também vale a pena perguntar se uma plataforma gigante, elevando uma alegação explosiva sobre uma figura pública sem comentário, enquanto adiciona o mínimo de isenção de responsabilidade ou contexto - e encoraja mais meios de comunicação convencionais a fazê-lo também - cria um ecossistema de informações saudável. Isso acontece na plataforma quase todos os dias, tornando praticamente impossível apontar apenas um exemplo isolado.

Era fácil prever o ciclo que seguiria a história de Kemper quando ela começasse a virar tendência no Twitter: os veículos obedientemente escreveriam a controvérsia por mais 24 ou 48 horas, garantindo mais engajamento sobre o ela.

+++LEIA MAIS: Tudo o que sabemos sobre Babylon, filme com Brad Pitt, Margot Robbie e Flea, do Red Hot Chili Peppers [LISTA]

Isso acontecerá de novo, e de novo, e de novo, até nos tornarmos mais cuidadosos sobre o conteúdo e as narrativas escolhidas por nós, ou as plataformas terem mais cuidado sobre como escolhem promover as histórias e publicações.


+++ SUPLA | MELHORES DE TODOS OS TEMPOS EM 1 MINUTO | ROLLING STONE BRASIL