Como filmes adolescentes como 'Barraca do Beijo' falham em representatividade ao repetir o estereótipo sexualizado de personagens não-brancos?

Em uma inclusão forçada de um homem latino e uma mulher negra, o longa da Netflix não faz nada além de reforçar antigos estereótipos

Clara Guimarães Publicado em 16/08/2020, às 12h00

None
Marco, Chloe e John Ambrose (Foto: Reprodução/Netflix_

Barraca do Beijo é branca demais. Essa foi uma das críticas que reverberou pelos veículos de comunicação com o lançamento do filme adolescente da Netflix em 2019. O motivo é óbvio: o longa segue a história de jovens bonitos, ricos e brancos em uma escola privada vivendo histórias de romances e amizades. Não foi feita para ser inclusiva ou revolucionária - e sim para seguir clichês de produções adolescentes.

+++LEIA MAIS: Machismo, sexualização e assédio: 6 problemas de Barraca do Beijo 2 que precisam ser discutidos

O problema é que esses clichês nunca foram certos para começar. Machismo, sexualização e assédio eram inseridos em filmes como algo fofo ou engraçado - e Barraca do Beijo parece querer continuar a nos convencer que eles são.

Do primeiro para o segundo filme, no entanto, houve uma mudança, um esforço da produção. Talvez por terem escutado as críticas, os produtores incluíram na continuação de Barraca do Beijo um homem latino e uma mulher negra.

+++LEIA MAIS: Friends, Game of Thrones e How I Met Your Mother: 11 casais tóxicos que o público ama - mas não deveria [LISTA]

Barraca do Beijo 2 apresenta Marco Pena (Taylor Zakhar) e Chloe Whinthrop (Maisie Richardson-Sellers) para criar tensão no relacionamento principal. O garoto tenta seduzir Elle, enquanto Chloe aparece sempre muito íntima de Noah.

O que mais sabemos sobre os dois? Não muito. A primeira coisa que vimos de Marco - antes mesmo de seu rosto - é um vídeo explícito dele malhando sem camisa. A personagem principal em seguida descreve de diversas maneiras diferentes o quanto o garoto é sensual, e o foco ao longo do filme é a beleza e o corpo do latino - que ainda está no Ensino Médio.

Mas se sabemos pouco de Marco, o que vemos de personalidade em Chloe é quase nada. Ela é apresentada de forma bem sexualizada como “a outra mulher”. O filme foca na beleza e na capacidade de sedução da britânica, mesmo quando sabemos que ela é uma das melhores alunas de direito em Harvard.

Em entrevista à Rolling Stone Brasil, Levi Kaique Ferreira, palestrante e colunista no site Mundo Negro, falou sobre essa questão que existe há séculos no cinema. “Não é novidade [ter essa sexualização no cinema]. A novidade é termos produções adolescentes com atores negros, mas estes herdaram a hipersexualização já comuns em outras produções”, explicou.

+++LEIA MAIS: Por que é importante repensar no machismo em séries antigas como Friends e How I Met Your Mother? [ANÁLISE]

Em Barraca do Beijo, entre a hipersexualização de Marco e Chloe e o uso dos dois apenas como instrumentos para desenvolver o plot principal dos brancos, existe uma desumanização dos personagens. Eles não têm nenhuma característica ou motivação além de ser amigo, ou estar apaixonado, pelo protagonista.

A Teen Vogue fez a mesma crítica com o lançamento do longa, afirmando que “em histórias em que os sentimentos dos brancos ocupam o centro do palco, as pessoas de cor muitas vezes são meramente ornamentais”.

Enquanto o jornal britânico The Tab  descreveu Marco como “o clássico retrato exageradamente sexualizado de qualquer hispânico” e que “o fato de esses personagens não serem brancos parece uma reflexão tardia”, já que “se você pegasse o caráter deles e os tornasse brancos, nada realmente mudaria”.

Levi completa esse pensamento com uma análise histórica da representatividade negra no cinema ao dizer que "os demais atributos relacionados a um ser humano não são relevantes quando se trata do homem negro e essas produções reforçam isso”.

+++LEIA MAIS: Os 13 piores namorados da ficção: de Friends a Gilmore Girls

É ainda mais frustrante que uma produção atual de alto orçamento, feita para jovens por uma plataforma como a Netflix, seja tão retrógrada. Personagens como Marco e Chloe poderiam ser muito mais interessantes até que os próprios protagonistas.

Como é ser o único latino em uma escola de pessoas brancas? E como é ser uma mulher negra estudando direito em Harvard? Existem muitos aspectos da vida desses personagens que poderiam ter ganhado foco ou pelo menos algum contexto, mas tudo o que vimos foi uma versão sexualizada de duas pessoas não-brancas.

+++LEIA MAIS: Por que filmes com relacionamentos abusivos e tóxicos como 365 Dias e 50 Tons de Cinza ainda ganham tanto destaque? [ANÁLISE]

E Barraca do Beijo 2  não é a única a cometer o erro. Em Para Todos Garotos que Amei, outra produção adolescente da Netflix, o personagem colocado para causar tensão no casal principal é John Ambrose, interpretado por Jordan Fisher, um homem negro. Enquanto outro sucesso entre jovens, Crespúsculo, usa Jacob como um ornamento hipersexualizado de Bella.

Mas a inclusão forçada é melhor que nenhuma inclusão?

Alguns podem argumentar que escalar atores não-brancos para os papéis, mesmo que reforçando esteriótipos, é melhor que nenhuma inclusão. Portanto, no caso de Barraca do Beijo, o segundo filme já seria mais representativo que o primeiro. Mas não é tão simples assim.

“Não haveria problema se um ou outro filme tivesse alguns estereótipos do tipo, desde que outras produções fossem diversas. A questão é que aparentemente os filmes enxergam negros SOMENTE dessa forma, e isso limita atores negros, passam mensagens negativas de pessoas negras e reforçam estereótipos sociais extremamente prejudiciais”, disse Levi.

+++LEIA MAIS: Friends, How I Met Your Mother e mais: Quais séries seriam 'canceladas' em 2020?

Portanto, para que haja uma verdadeira inclusão e mudança na representação dos personagens não-brancos no cinema, é preciso ir muito mais a fundo no assunto. “Para além da representatividade (negros em papéis) é necessário pensar em como essa representação está sendo feita. Reforçar estereótipos racistas não torna essas produções menos problemáticas das que não possuem representatividade nenhuma”, explicou o colunista.

BÔNUS: Filmes com protagonistas negros para assistir

Recorremos novamente a Levi para pedir dicas de bons de filmes com protagonismo negro. O colunista recomendou o vencedor do Oscar, Moonlight, o longa da Marvel, Pantera Negra, e o drama de suspense norte-americano, Queen And Slim.

+++ LEIA MAIS: Sexismo, abuso e cyberbullying: A Netflix não cansa de errar nos filmes adolescentes [ANÁLISE]

“Costumo sempre falar desses filmes porque expressam masculinidades negras diferentes. Desde jovens gays à Reis com inseguranças, construção, histórias, relações paternas positivas e negativas. Enfim, complexidades em suas representações, fugindo de estereótipos”, disse.


+++ JOÃO GORDO ENCARA O DESAFIO MELHORES DE TODOS OS TEMPOS EM 1 MINUTO 


+++ PLAYLIST COM CLÁSSICOS DO ROCK PARA QUEM AMA TRILHAS SOBRE DUAS RODAS