Como foram os últimos dias de Chester Bennington, do Linkin Park: abatimento e esperança

A morte do cantor completa 3 anos nesta segunda, 20 de julho

Kory Grow, Rolling Stone EUA Publicado em 20/07/2020, às 16h31

None
Chester Bennington, vocalista do Linkin Park (Foto: AP)

Em 26 de março, Chester Bennington, do Linkin Park, fez um show único na carreira. Chris Cornell, amigo próximo dele do Soundgarden, estava sendo enterrado no cemitério Hollywood Forever, em Los Angeles. "Meu nome é Chester", disse Bennington aos presentes. "Tive o grande privilégio de ser amigo de Chris e convidado a ser membro de sua família”.

+++LEIA MAIS: Mike Shinoda revela que ainda existem músicas com Chester Bennington que o Linkin Park ainda não lançou

Acompanhado pelo colega de banda do Linkin Park, o guitarrista Brad Delson, ele cantou "Hallelujah". Chester Bennington tornou-se famoso no início dos anos 2000 como a voz poderosa de uma das maiores bandas de rock, expressando-se por meio de um grito cheio de angústia, mas naquele dia o canto era diferente: melancólico, sombrio, frágil. Ele também prestou homenagem a Cornell no Twitter: “Sua voz era alegria e dor, raiva e perdão, amor e mágoa, tudo em um. Suponho que é isso que todos nós somos. Você me ajudou a entender isso”.

Menos de dois meses depois, em 20 de julho de 2017, foi a vez de Bennington ser lamentado. Ele morreu de suicídio por enforcamento e foi encontrado na manhã de 20 de julho na casa dele em Palos Verdes, no condado de Los Angeles, uma semana antes do Linkin Park partir para uma turnê norte-americana de 29 datas. 

+++ LEIA MAIS: Mulher cita letra de Linkin Park para salvar homem de suicídio; assista ao vídeo

O cantor de 41 anos estava de férias no Arizona com a esposa Talinda e a família, mas voltou para casa sozinho, dizendo que precisava trabalhar (o Linkin Park tinha uma sessão de fotos agendada para a manhã do dia 20). O TMZ informou que a polícia encontrou uma garrafa de álcool parcialmente vazia no quarto onde ele havia morrido.

Bennington sempre foi aberto sobre a luta contra o vício e a depressão, mas as pessoas próximas a ele ficaram chocadas com o suicídio. No dia seguinte ao memorial de Cornell, Bennington twittou que estava "se sentindo muito criativo" e havia escrito seis novas músicas. Na mesma época, ele disse a um amigo, Rene Mata: "Temos que ficar juntos e temos muito pelo que viver".

+++LEIA MAIS: Linkin Park volta a compor músicas após morte de Chester Bennington

Em maio, o novo álbum do Linkin Park, One More Light, estava no topo das paradas e um single, "Heavy", estava indo bem. Além da turnê do Linkin Park, ele planejava uma reunião com a banda de grunge pré-fama, Gray Daze, para setembro. "Ele estava no topo do mundo", disse Sean Dowdell, baterista de Gray Daze e amigo de Bennington desde a adolescência, que conversou com ele dois dias antes de sua morte.

Steve Stevens, que toca guitarra com Billy Idol, lembra-se de Bennington segurando um filhote de cachorro enquanto cumprimentava todos nos bastidores em um evento em outubro de 2016 para o Rock to Recovery, uma organização para músicos sóbrios. "Ele estava se certificando de que todo mundo conhecesse o cachorro na porta. Foi tão carinhoso e tão Chester”, disse ele.

+++ LEIA MAIS: 7 bandas que pararam shows para salvar fãs: Queen, Nirvana e Linkin Park

Na turnê européia do Linkin Park em junho e julho, Bennington parecia estar na melhor forma dele. "Vi o mais vivo e presente Chester da minha história de 15 anos e meio com a banda. Ele estava sem dúvida na melhor condição física da vida”, disse Jim Digby, diretor de turnê do grupo. 

Alguns dias antes de sua morte, Bennington estava mandando mensagens para Robert DeLeo, companheiro de banda no Stone Temple Pilots (Bennington liderou a banda de 2013 a 2015 depois que Scott Weiland deixou o grupo).

+++ LEIA MAIS: Linkin Park planeja ‘algo especial’ para comemorar 20 anos do disco Hybrid Theory, responsável por ‘In The End’ e ‘Crawling’

As mensagens eram "coisas amorosas, positivas, ansiosas para o futuro", lembra DeLeo. No dia anterior à morte dele, Bennington enviou um e-mail para o ex-baterista do Guns N 'Roses, Matt Sorum, demonstrando interesse em se apresentar novamente com a banda de covers deles, Kings of Chaos.

No entanto, alguns dos amigos de Bennington agora sentem terem ignorado os sinais de que o lado sombrio do cantor, chamado por ele de "passageiro sombrio" - referência à força que motivou o protagonista do serial killer em Dexter - estava voltando à vida. Bennington tinha ido à reabilitação por volta de 2006 e parecia estar sóbrio nos anos seguintes. Contudo, amigos dizem que ele sofreu uma recaída de três dias em agosto.

+++LEIA MAIS: Linkin Park reage a show nunca lançado do Hybrid Theory com Chester Bennington; assista

Um mês antes de morrer, Bennington disse ao amigo de longa data Ryan Shuck que estava sóbrio havia seis meses. No entanto, Bennington também enviou a Shuck algumas mensagens de texto: “Ele estava descrevendo uma batalha de hora em hora com o vício. Quando olho para isso agora, é horrível. Ele estava me dizendo, detalhadamente, o que faria na primeira hora que queria beber".

Bennington falou sobre os problemas em uma entrevista com a Music Choice, em fevereiro de 2017: “Tenho dificuldade com a vida", disse ele enquanto descrevia o significado por trás do hit "Heavy". "Mesmo quando está bom, fico desconfortável o tempo todo… A linha de abertura: ‘Não gosto da minha cabeça agora’ - sou eu 24 horas por dia. E se eu ficar preso aqui, a vida é muito difícil. Não precisa ser”.

Shuck acredita que Bennington "tomou algumas bebidas" pouco antes de morrer. "Não sabemos quanto, mas não é preciso muito quando você é alcoólatra e viciado, e está lutando na medida em que ele me descreveu. Você não precisa de muito para perder a cabeça por um minuto”.

+++ LEIA MAIS: Linkin Park é banda de rock mais ouvida no streaming Deezer em 2019 - mesmo sem músicas novas há 2 anos

Shuck e Dowdell minimizam a especulação de que a morte de Cornell inspirou a de Bennington. Embora existam semelhanças - os dois artistas se enforcaram, e Bennington o fez no que seria o 53º aniversário de Cornell - eles acreditam ter sido uma coincidência. "Pode ser parte disso, mas é uma pequena parte", diz Shuck. "É apenas mais um evento horrível que é colocado no subconsciente. Está inflamando, mas o fogo já estava queimando”.


+++ 15 HISTÓRIAS INACREDITÁVEIS (E REAIS) DE OZZY OSBOURNE