Como master de Sgt. Pepper's Lonely Hearts, dos Beatles, mudou a história da música [FLASHBACK]

Disco introduziu técnicas de produção inovadoras e mistura de gêneros

Marina Sakai (sob supervisão de Yolanda Reis) Publicado em 06/04/2021, às 20h22

None
Os Beatles em Sgt. Pepper's Lonely Hearts Club Band, de 1967 (Foto: Reprodução)

Há exatos 54 anos, em 6 de abril de 1967, a primeira fita master de Sgt. Pepper’s Lonely Hearts Club Band (1967), dos Beatles, ficou pronta. A ordem das faixas era diferente, mas a ideia era única. Popularizou o conceito de não ter espaços entre as músicas.  Até hoje, a ideia reflete muito na música - principalmente em opera rock, quando muitos artistas optam por não dar espaço entre as faixas para dar a sensação de uma grande história.

Os Beatles se esforçaram para elevar a qualidade da produção. George Martin e o engenheiro de som Geoff Emerick apresentaram técnicas inovadoras, como uso de sinfônicas para criar sons cheios e modelagem dos ruídos. 

+++LEIA MAIS: A vez que Jimi Hendrix fez um cover lendário de ‘Sgt. Pepper's Lonely Hearts Club Band’, dos Beatles

A intenção não era tocar o disco ao vivo, por isso, não existiam barreiras criativas para as músicas. A gravação era a performance, os Beatles interpretavam uma banda militar da era eduardiana britânica, mas com um toque psicodélico e influências de sons do mundo todo, de música indiana a circense. 

Sgt. Pepper’s foi o oitavo disco dos Beatles e influenciou muitas bandas e artistas da segunda metade do Século XX. Uma aventura em som, estética, produção e conceito, o trabalho é um dos maiores da história.

Conquistou quatro Grammys — incluindo Álbum do Ano, o primeiro LP de rock a vencer na categoria — e ficou no topo das paradas por 15 semanas consecutivas nos Estados Unidos. Além disso, a Rolling Stone EUA colocou-o em primeiro lugar na lista de 500 "Melhores Discos de Todos os Tempos" em 2003.

+++LEIA MAIS: George Harrison achou gravação do disco Sgt. Pepper’s, dos Beatles, 'cansativa e chata'

Produção

Técnicas comuns atualmente eram inovadoras na época. Usaram um multitrack dividido em quatro canais, cada um com diversos instrumentos gravados para criar um conjunto coeso. Além disso, dividiram faixas em dois takes, gravados com andamentos e alturas diferentes para dar mais dinâmica ao som. 

Para gravar vocais, o automatic double tracking (ADT) criava duplicação simultânea. A ferramenta criada pelo engenheiro Ken Townsend especialmente para os Beatles durante as gravações de Revolver (1966) tornou as sessões de estúdio menos exaustivas.

+++LEIA MAIS: Como disco Sgt. Pepper’s, dos Beatles, mudou a história do Pink Floyd?

Aproveitaram muito equipamentos eletrônicos para modular sons e produzir efeitos em vozes e instrumentos. Além disso, pela primeira vez, um disco pop foi masterizado sem intervalos entre as faixas. Utilizaram transições para combinar as músicas para simular uma performance ao vivo. Por último, adicionaram ruídos aleatórios, como sons em frequências audíveis apenas por cachorros.

Os padrões de exigência da banda também aumentaram. Please Please Me (1963), primeiro disco da banda, custou £ 400 e foi gravado em aproximadamente 10 horas em um único dia. Sgt. Pepper’s levou cerca de 700 horas ao longo de meses de trabalho, e custou £ 25 mil.

+++LEIA MAIS: Para John Lennon, qual música do Sgt Pepper's não era "um lixo"?

Quando foi lançado, Sgt. Pepper’s conquistou a crítica especializada por todas as inovações na produção, mistura de estilos e pela ponte entre música popular e arte. Com o público, não foi diferente: em 2014, 30 milhões de cópias haviam sido vendidas, tornando-o um dos discos mais populares da história da música.


+++ KONAI: 'ESTAMOS EM PRESSÃO CONSTANTE PARA SER O QUE NÃO É NOSSO NATURAL' | ENTREVISTA