Como Max Richter fez milhares de pessoas dormirem nos shows dele - mas adorou cada minuto disso [ENTREVISTA]

Famoso por trilhas sonoras, o músico criou Sleep, composição de oito horas para explorar os impactos da música no sono

Vitória Campos (sob supervisão de Yolanda Reis) Publicado em 08/04/2021, às 19h32

None
Max Richter em Sleep (Foto: Rahi Rezvani / Divulgação)

À primeira vista, espalhar centenas de camas em um parque em Los Angeles, EUA, para pessoas dormirem enquanto escutam música por oito horas, pode parecer história de filme. E realmente é.

Max Richter, compositor alemão famoso por músicas em Ilha do Medo (2010) e A Chegada (2016) e a diretora Natalie Johns realizaram um projeto ambicioso e original, o documentário Max Richter's Sleep (2019). Disponível na plataforma de streaming  MUBI

+++ LEIA MAIS: Compositor John Williams elogia Star Wars: A Ascensão Skywalker: 'Vai valer a pena'

O projeto mostra os concertos de Sleep, composição de Richter de 2015. Com cordas, sintetizadores e camas espalhadas, dura oito horas e tem o intuito de explorar os impactos da música no sono, focando na experiência de ver pessoas dormirem. 

O filme vai além da obra musical, e mostra os bastidores das noites nas quais o público se reunia ao ar livre para adormecer ao som do compositor. Também apresenta conversas de Ritcher com a parceira criativa Yulia Mahr, tornando a produção muito mais pessoal.

+++ LEIA MAIS: Compositores criam ação coletiva para que músicos não lucrem com composições: 'Se aderirmos, ameaça dos artistas não vai mais acontecer

Com uma fotografia azulada para relembrar noites tranquilas, o documentário acerta em cheio no ritmo da narrativa. Some isso à trilha sonora de Richter, famosas no mundo cinematográfico por enriquecer qualquer filme. Contudo, peca em um aspecto: não te faz querer fechar os olhos nem por um segundo.

Em entrevista à Rolling Stone Brasil, Max Richter contou sobre a composição, a incrível carreira e como o projeto se tornou um documentário.

+++ LEIA MAIS: Tuyo transborda internacionalmente e mostra satisfação de ser ouvida por pessoas de diferentes continentes [ENTREVISTA]

Não se lembrava exatamente como surgiu a ideia de transformar os concertos em filme, mas acredita ter se originado com a parceira Yulia. Ela filmava algumas partes enquanto rodavam o mundo por causa da composição. Com tanto material gravado, o projeto nasceu. Sleep foi performada em Berlim, Alemanha; Londres, Reino Unido, e até mesmo na Ópera de Sydney, Austrália, lugar querido por Richter.


Um show para as pessoas dormirem 

Max Richter em Sleep (Foto: Rahi Rezvani / Divulgação)

 

Normalmente, quando o público dorme em um show, é sinal de fracasso, mas não nesse caso. A ideia de compor para as pessoas dormirem tinha uma razão muito maior. “Um lugar para descanso” explicou Richter. Com o caos e a maneira como não nos desconectamos do mundo virtual, sentiu a necessidade de produzir algo pela paz e tranquilidade. 

+++ LEIA MAIS: Paulinho Moska nos leva em viagem pela América Latina para aprender artes e ciências em Tu Casa Es Mi Casa [ENTREVISTA]

Quando toca e vê o público adormecendo, cria uma intimidade maior com a audiência e, como músico, acha a experiência muito especial. “Quanto tocamos Sleep, é como se víssemos algo maior acontecer, não estamos só performando, também providenciamos às pessoas um lugar de fuga.”

Contudo, é uma longa composição de oito horas, com centenas de folhas de partituras de piano. Richter define os concertos como um esporte extremo: “É como correr uma maratona”.

+++ LEIA MAIS: 4 documentários feitos por mulheres para pensar política no Brasil [LISTA]

Coincidentemente, Richter não consegue dormir enquanto escuta o próprio álbum. “É um paradoxo,” pois o compositor não consegue descansar a mente enquanto ouve músicas, fica com os pensamentos ativos a todo momento.


Carreira de prestígio

Com a carreira prestigiada na música e no cinema, Richter acredita que a trilha sonora assume o papel de mudar a narrativa de um filme por mexer com os sentimentos dos espectadores. Enxerga-a como responsável por abrilhantar uma produção, ou até mesmo arruiná-la. 

+++ LEIA MAIS: O Hip-Hop no TikTok: expansão da dança ou desvalorização do profissional? [ENTREVISTA]

Para ele, compor para o cinema e séries é muito diferente de compor para concertos. Em um filme, a música é um elemento entre outros - acompanha a direção, os atores e todos os aspectos da produção. Mas, em projetos como Sleep, “não [existe] nada além disso.” A composição é a peça central.

Falou sobre o maior desafio em escrever músicas: saber a hora de parar e perceber quando a obra finalmente está pronta. É fácil entender o motivo do compositor não conseguir finalizar, pois o público também não quer parar de ouvir, nem que seja necessário adormecer e sonhar ao som de Ritcher

+++ LEIA MAIS: Amy Winehouse ganha novo documentário contado pela perspectiva da mãe da cantora


+++ KONAI: 'ESTAMOS EM PRESSÃO CONSTANTE PARA SER O QUE NÃO É NOSSO NATURAL' | ENTREVISTA