Como a morte do Super-Homem transformou as vendas de HQs nos anos 1990?

Essa é uma das histórias mais famosas - e mais vendidas - da DC Comics; entenda o por que

Redação Publicado em 07/11/2019, às 16h06

None
The Man of Steel Vol. 17 (Foto: Reprodução / HQ)

Uma das histórias mais famosas - e mais vendidas - da DC Comics é a morte do Super-Homem. Com a recente adaptação animada agora disponível em vídeo, aqui está uma retropectiva do evento que deu um tom para a indústria de HQs americanas por volta dos anos 1990. 

Depois de relançarem o personagem, a DC publicou um título diferente a cada semana, como Action Comics, Superman, As Aventuras do Superman e Superman: Man of Steel.

Para atrair os leitores, um casamento entre Clark Kent e Lois Lane foi pensado e adiado depois de um episódio especial e semelhante ao da série popular Lois & Clark: The New Adventures of SupermanJerry Ordway, presente na equipe criativa das narrativas, sugeriu matar o personagem em vez disso. Dan Jurgens se animou com a ideia e organizou uma série de argumentos para o editoral para decidir quem seria o novo vilão responsável por matar o super-herói. 

+++ LEIA MAIS: Vingadores: as 7 melhores batalhas dos heróis dos quadrinhos

Isso levou à criação do Apocalypse em The Man of Steel Vol. 17, inspirado pelo escritor Dan Jurgens. O supervilão é fruto de experiências feitas por um cientista alienígena em Krypton. A Liga da Justiça e o Super-homem tentaram impedir com que o monstro chegasse à cidade, mas não foram capaz de reduzir a velocidade da criatura. 

Tentando parar o vilão a todo custo, o super-herói enfrentou o Dia do Juízo Final sozinho e o mundo os observou lutar. 

Aliviado pelo fato do monstro ter sido derrotado de uma vez por todas, o Super-Homem morreu nos braços de Lois, depois enterrado em uma tumba sob uma estátua do herói.

+++ LEIA MAIS: 8 Vingadores poderosos que ainda não estrearam no MCU - mas deveriam

Enquanto muitos leitores de quadrinhos acreditaram que a morte do Super-Herói era temporária, a ampla cobertura da mídia levou muitos públicos a acreditarem que realmente era permanente, o que aumentou significamente as vendas. A edição vendeu mais de 2 milhões de cópias no pré-lançamento e mais de 6 milhões de cópias no total. 

Para manterem a ilusão de que o Super-Homem realmente estava morto, a DC deixou de publicar os quatro títulos do Super-Homem por três meses antes de introduzir quatro super-heróis inspirados pelo Homem de Ferro em um mundo sem o Super-Homem. 

+++ LEIA MAIS: Batman ou Homem de Ferro: qual é o super-herói mais rico? E por quê? [ANÁLISE]

Mas na verdade, o Super-Homem foi trazido de volta à Fortaleza da Solidão pelo Erradicador e ressuscitou por meio de uma matriz de regeneração kryptoniana na base remota.

Enfraquecido, o super-herói se uniu com a Supergirl e o Lanterna Verde, para derrotar Henshaw e Mongul. 

As vendas de quadrinhos da DC decliou após a ressurreição dele. No entanto, apesar da controvérsia, a história continua sendo uma favorita dos fãs e influente.