Como a morte trágica de dois jovens quase destruiu a carreira do Judas Priest?

Segundo o Louder Sound, o grupo foi acusado de propagar mensagens subliminares no disco Stained Class

Redação Publicado em 22/04/2020, às 17h01

None
Judas Priest (Foto: Divulgação)

Em 1990, o metal enfrentou uma grande crise que poderia ter mudado o que conhecemos do gênero atualmente e tudo isso começou com um processo judicial contra Judas Priest. O grupo foi processado pela família de dois fãs em dezembro de 1985, James Vance e Raymond Belknap, que moravam em Sparks, Nevada.

+++ LEIA MAIS: 6 bandas que sobreviveram à mudança de vocalista: de Pink Floyd a Black Sabbath

Os dois jovens atiraram entre si com uma espingarda. Belknap morreu instantaneamente, enquanto Vance sobreviveu durante mais três - antes de também morrer pelas complicações causadas pelos ferimentos. Sim, a história é trágica. Segundo resgatado pelo Louder Sound, alguns disseram que os dois adolescentes estavam ouvindo os discos de Priest no início do dia enquanto bebiam e fumavam maconha. A combinação acabou levando a um pacto de suicídio. 

+++LEIA MAIS: Rob Halford, líder do Judas Priest, quer ser jurado de RuPaul's Drag Race

Segundo as famílias dos jovens, Priest havia colocado mensagens subliminares no disco Stained Class, de 1978, que incitava os fãs a se matarem. Para eles, a música "Better By You, Better Than Me" tinham mensagens que diziam "Vamos todos morrer, então faça isso!". Os advogados do caso que defendiam às famílias disseram que eles supostos incentivos nas letras das músicas foram diretamente responsáveis pela morte dos jovens. 

+++ LEIA MAIS: Rob Halford, do Judas Priest, relembra reação dos fãs quando se assumiu homossexual: "Me deu mais poder"

Tanto a banda quanto a gravadora CBS foram a julgamento no Tribunal Distrial do Condado de Washoe em 16 de julho de 1990. Eventualmente, o caso contra Priest e a gravadora foi julgado como improcedente. Caso o veredicto tivesse sido afirmado e levado à uma série de casos, provavelmente um número considerado de discos e músicas de metal teriam sido proibidas. 

Na época, o guitarrista Glenn Tipton, disse: “É fato que, se você tocar o discurso de trás para frente, alguns deles poderão fazer sentido. Então, pedi permissão para entrar em um estúdio e encontrar algumas falhas fonéticas perfeitamente inocentes. Os advogados não queriam fazer isso, mas eu insisti. Com isso, compramos uma cópia do Stained Class em uma loja de discos local, entramos no estúdio, gravamos em uma fita, entregamos e tocamos ao contrário. Imediatamente, encontramos versos como 'Ei mãe, minha cadeira está quebrada' e 'Me dê um pouco de hortelã' e 'Me ajude a manter um emprego'". 

+++ LEIA MAIS: As complicações de Black Sabbath Vol. IV: como a polícia precisou intervir diversas vezes para ninguém morrer

Rob Halford chegou a comentar que "aceita o fato de algumas pessoas não gostarem de heavy metal, mas não podemos deixá-las nos convencer de que é algo negativo e destrutivo. O heavy metal é um amigo que proporciona às pessoas um grande prazer e as ajudam em momentos difíceis". 

+++ LEIA MAIS: Os 4 discos que construíram o heavy metal, segundo site


+++ SESSION RS: SCALENE TOCA ASSOMBRA