Como o filme The Dirt ajudou o Motley Crue a ter a turnê de rock mais quente de 2020?

Lançada em 2019 na Netflix, a cinebiografia aumentou a relevância do grupo para um público amplamente mais jovem

Redação Publicado em 04/02/2020, às 10h56

None
Mötley Crüe (Foto: Vianney Le Caer / Invision / AP)

O boom das cinebiografias está acontecendo e os executivos dos estúdios já perceberam que narrar contos extravagantes de estrelas do rock para as grandes telas de cinema movimenta uma quantia gigantesca de dinheiro. Lançado em 2018, o Bohemian Rhapsody, por exemplo, arrecadou mais de US $ 900 milhões em todo o mundo e ganhou quatro prêmios da Academia, incluindo Melhor Ator pela atuação de Rami Malek como Freddie Mercury

+++ LEIA MAIS: Bohemian Rhapsody foi difícil, mas deu nova vida ao Queen, dizem Brian May e Roger Taylor

Rocketman, lançado em 2019, foi estrelado por Taron Egerton como Elton John, teve um desempenho mais tímido, mas ainda assim, respeitável e arrecadou US $ 195 milhões no mundo todo com um orçamento de apenas US $ 40 milhões.

+++ LEIA MAIS: Muito além de The Dirt e Bohemian Rhapsody: 11 filmes para conhecer a história do rock [LISTA]

Após analisar esses números, é claro que Hollywood está apenas começando a reerguer esse mercado para mais cinebiografias icônicas como de Amy Winehouse, Bob Marley, Aretha Franklin, Elvis Presley e outros que estão sendo divulgados. 

Esses investimentos, é claro, não são apenas para atrair mais fãs para os cinemas ou incentivar o uso das plataformas de streaming. Esses impressionantes números de bilheteria têm sido convertidos em vendas de ingressos para os shows desses artistas. O Queen + Adam Lambert, por exemplo, está em turnê pela Europa, Japão, Nova Zelândia e Austrália até o mês de julho e devem continuar enchendo arenas ao redor do mundo para preencher os corações dos fãs. 

Elton John também está incluso na lista. O músico tem datas em arenas e estádios até o final do ano com a turnê Farewell Yellow Brick Road Tour, que começou em 2018. 

+++ LEIA MAIS: Músicas do Motley Crue tem um crescimento absurdo com o sucesso do filme The Dirt

No entanto, nenhum artista se beneficiou tanto de uma cinebiografia como o Mötley Crüe. Lançada em 2019 na Netflix, The Dirt apresentou uma nova geração da "Banda de Rock Mais Notória do Mundo". O filme, apesar de conter algumas falhas na narrativas e tende a omitir as partes mais prejudiciais da história da banda, consegue recriar fielmente os shows espetaculares do grupo. 

+++ LEIA MAIS: As 10 histórias mais doidas do Motley Crue: loucuras com Ozzy Osbourne e fogo no hotel

A produção foi adaptada no livro de memórias de 2001 do grupo. The Dirt é um retrato incrivelmente real e engraçado de uma das bandas de rock mais polêmicas da história. Apesar de não ter agradado tanto a crítica, The Dirt mantém uma audiência de 95% no Rotten Tomatoes e o engajamento da banda nas redes sociais disparou após o lançamento. 

A banda, que havia se aposentado em 2015, após concluir a turnê de despedida. Mas em novembro de 2019, o Mötley Crüe anunciou o retorno e em breve vão iniciar a The Stadium Tour ao lado de Def Leppard, Poison e Joan Jett

+++ LEIA MAIS: Motley Crue contrata personal trainers para se preparar para os shows da turnê de 2020

É claro que a cinebiografia teve um impacto nisso e atraiu os fãs de longa data - e o público que nunca ouviram as canções. No mês seguinte ao lançamento de The Dirt, Mötley teve um aumento de  600% no Spotify, 1.100% no Apple Music e 1.300% nos downloads do iTunes. Além disso, os seguidores aumentaram 900% no Facebook e 600% no Twitter e as pesquisas no Wikipedia aumentaram em 3.000%. O público, que antes era restrito a faixa etária entre 45 a 59 anos, agora está entre 18 até 45 anos. 

+++ LEIA MAIS: Rammstein, Motley Crue e o fetiche do rock por brinquedos sexuais

A nova e grande The Stadium Tour vendeu mais de 700 mil ingressos e arrecadou mais de US $ 90 milhões no primeiro final de semana. Com quase 40 anos de existência, Mötley Crüe fará alguns dos maiores shows da carreira e eles podem agradecer ao The Dirt por isso. 


 +++ MELHORES DISCOS BRASILEIROS DE 2019 (PARTE 2), SEGUNDO A ROLLING STONE BRASIL