Como o Hulk tentou matar Bruce Banner?

Nos quadrinhos, há uma versão sombria e complexa do herói

Redação Publicado em 24/11/2020, às 14h31

None
Grey Hulk (Foto: Reprodução/Marvel)

O escritor Peter David e o artista Todd McFarlane apresentaram um cenário perturbador em The Incredible Hulk #333 ("O Incrível Hulk") de 1987, no qual Hulk escolhe morrer de envenenamento por álcool ao invés de permitir que Bruce Banner se cure da transformação. As informações são do Screenrant

+++LEIA MAIS: Como o Hulk morre? Herói não é invencível, apesar de parecer

Como o Sreenrant lembra, o Hulk não era um monstro verde e violento na primeira aparição, mas sim cinza e muito mais inteligente. Peter David trouxe o Gray Hulk (“Hulk Cinza”, em tradução livre) de volta com uma personalidade sinistra e manipuladora em The Incredible Hulk #333.

Diferentemente do Hulk que estamos acostumados, o Gray Hulk não mudava quando estava com raiva, mas sim à noite. E, pela primeira vez, o personagem da Marvel tinha uma personalidade com menos tendências heroicas. 

+++LEIA MAIS: Mark Ruffalo, de Vingadores, 'só surfava e fumava maconha' antes da fama

Depois que Bruce Banner foi transformado no Gray Hulk, a Gamma Base fez tentativas para curá-lo. No entanto, o Hulk sabia que morreria, então precisou encontrar uma maneira de chegar até Banner e destruí-lo primeiro. 

Para isso, preparou um plano que previa Banner beber tanto a ponto de desenvolver uma intoxicação por álcool. Certamente que Hulk pretendia sobreviver, e ele acreditava que se Banner morresse, ele riria por último e não permitiria que Bruce o destruísse com a cura.

+++ LEIA MAIS: Quem são os novos Vingadores confirmados na fase 4 da Marvel?

Para os leitores em 1987, isso foi particularmente chocante, porque o herói não era um Hulk com o principal objetivo de destruir os oponentes por meio da força bruta, mas sim um Hulk metódico e calculista. 


+++ SIGA NOSSO SPOTIFY - conheça as melhores seleções musicais e novidades mais quentes


+++ FROID: 'QUERO CHEGAR A UM NÍVEL POPULAR' | ENTREVISTA | ROLLING STONE BRASIL