Conheça a história de Gabriel Diniz antes de estourar com a música hit "Jenifer"

O músico morreu aos 28 anos em acidente de avião nesta segunda, 27, e durante sua carreira liderou grandes fenômenos do forró no Nordeste

Nicolle Cabral Publicado em 27/05/2019, às 16h51

None
Gabriel Diniz (Foto: Fabio Rocha / TV Globo)

Aos 28 anos, um dos maiores fenômenos do forrónejo, Gabriel Diniz, morreu nesta segunda, 27, em uma queda de avião de pequeno porte no povoado Porto do Mato, em Estância, na região sul de Sergipe.

Embalado pelos ritmos do forró e do brega, o cantor diversificou a sua sonoridade incorporando os elementos da cultura nordestina em suas composições. Nascido em Campo Grande, no Mato Grosso do Sul, mas criado na efervescência do gênero em Campina Grande, na Paraíba, Diniz iniciou a sua carreira como músico cantando em algumas festas na Universidade Federal de Campina Grande (UFCG), onde estudava Engenharia.

Aos 19 anos, se consolidou na cena nordestina com a banda Forró na Farra, em João Pessoa, pela produtora Luan Promoções e Eventos - também responsável por gerir as carreiras de Wesley Safadão, Luan Santana, Zezé di Camargo e Luciano e entre outros artistas. O sucesso marcado com a sua voz foi "O Show Terminou".


Além do grupo, Diniz liderou os grupos de forró eletrônico Capim com Mel e Cavaleiros do Forró. A última, criada em 2001, conquistou mais de dois milhões de álbuns vendidos e é considerada um dos maiores fenômenos musicais do nordeste. O cantor foi vocalista do grupo entre os anos de 2010 e 2011 e embalou com a canção “Só quem amou”. A banda Cavaleiros do Forró lamentou a morte do cantor em suas redes sociais. "A vida é realmente um sopro. Nossos sentimentos à família do cantor Gabriel Diniz e toda equipe que com ele trabalhava", publicaram. 


Apesar de ter ficado nacionalmente famoso em 2019, com o hit "Jenifer", que bateu recordes com mais de 231 milhões de visualizações no YouTube, e entrou na lista dos 200 hits mais ouvidos em serviços de streaming. No início, a composição, escrita por Big Jhows, chegou até Gusttavo Lima, que comprou os direitos autorais e a gravou. No entanto, o músico acabou desistindo da canção e Diniz assumiu o hit.

Com o sucesso, Diniz gravou ao lado de grandes artistas da atual cena sertaneja, entre eles Wesley Safadão ("Quem Chorava Hoje Ri"), Simone e Simaria ("Só Dá Nós Dois"), Gusttavo Lima ("É Hora de Dar Tchau") e Jorge e Mateus ("Paraquedas"). Durante sua carreira solo, o cantor possui três álbuns de estúdio, GD Verão, GD e À Vontade, e três discos ao vivo, GD at the Park, GD Live e Gabriel Diniz Na Ilha. Seu outro sucesso mais recente, lançado em fevereiro, foi "Safadezinha".

Além das combinações sonoras, Diniz apresentava um visual autêntico. “Veja artistas grandes como Michael Jackson, Elvis Presley, Freddie Mercury. Eles eram assim. Essa percepção mudou um pouco após os anos 1980, mas eu continuo achando que cantor tem que brilhar mesmo, causar encantamento no fã, é disso que o povo gosta”, revelou o artista.

Assim como sua cidade de criação, conhecida por ser festiva e dinâmica, Gabriel Diniz deixa sua contribuíção na música nordestina com o seu alegre forrónejo. 

+++ VÍDEO: Rincon Sapiência aprendeu a "desenhar o próprio nome", quase foi jogador de futebol e se tornou Rei dos Feats do rap nacional