Conselho que luta contra conteúdo explícito na TV faz reclamação formal contra o VMA

Curiosamente, o pai de Miley Cyrus, o músico Billy Ray, faz parte do quadro de conselheiros do Parents Television Council

Rolling Stone EUA Publicado em 27/08/2013, às 10h58 - Atualizado às 11h50

Miley Cyrus e sua "mão postiça"
Charles Sykes/AP

A MTV conseguiu gerar bastante burburinho com a edição de 2013 do VMA, que fez barulho no Twitter e gerou conteúdos engraçadíssimos na internet, como a foto da família de Will Smith desconcertada assistindo à performance de Lady Gaga. Mas o canal também está lidando com críticas mais sérias vindas do Parents Television Council, organização sem fins lucrativos que luta contra a exibição de conteúdo explícito na TV. Curiosamente, o pai de Miley Cyrus (principal alvo das críticas), o cantor Billy Ray, atua como um membro do quadro de conselheiros da entidade.

O conselho se incomodou com o fato do canal ter vendido o programa com classificação 14 anos e ter colocado propagandas de camisinha, além de ter criticado a performance polêmica de Miley Cyrus. Usando um biquíni de látex cor de pele, Cyrus rebolou de forma provocante pelo palco e dançou “de forma sugestiva” com o cantor Robin Thicke.

Dan Isett, um representante da PTC, disse em um comunicado que “isso está muito claro: a MTV fez marketing de um material só para adultos para crianças enquanto manipulou falsamente a classificação do conteúdo para fazer com que os pais acreditassem que seria algo seguro para suas crianças assistirem”, ele disse. "A MTV continua a explorar a sexualidade de meninas jovens promovendo atos que incorporam [a dança] ‘twerking’ em um biquíni nude. Como essa imagem da ex-estrela infantil Miley Cyrus pode ser considerada apropriada pra adolescentes de 14 anos?”