Pulse

Coringa tem música feita por pedófilo na trilha sonora

O filme estreou na última quinta, 3, nos cinemas brasileiros

Redação Publicado em 09/10/2019, às 13h32

None
Coringa (Foto: Reprodução)

Coringa, dirigido pelo cineasta Todd Phillips, narra a história do maior inimigo do Batman. Desde o início, o filme era aguardado pelos fãs e foi ovacionado pela crítica. 

No entanto, agora que a produção já está disponível nos cinemas, o público vem criticando a inclusão de "Rock and Roll Part 2", de Gary Glitter, lançada em 1972, em uma das cenas mais importantes do filme.

O problema é que, Glitter, aos 75 anos, é um artista britânico e que foi um sucesso na era do Glam Rock nos anos de 1970 e 1980. No final dos anos 1990, foi acusado por pornografia infantil. 

+++ LEIA MAIS: Todd Phillips fala sobre final ambíguo de Coringa: "Existem várias maneiras de interpretá-lo"

Em 2015, também foi acusado por manter relações sexuais com uma adolescente de 13 anos, violação e agressões fisícas. Glitter foi condenado a 16 anos de prisão. 

O fato do filme ter uma canção escrita por um músico condenado por pornografia infantil e abuso sexual não foi recebido de forma positiva. Muitos fãs exigem para que os royalties não sejam pagos a Glitter. 

+++ LEIA MAIS: 9 vezes inacreditáveis em que Batman e Coringa trabalharam juntos [LISTA]

"Estão, literalmente, pagando um pedófilo para usar a música dele num filme sobre as consequências de abuso a menores. Isto é imoral", comentou um dos críticos, nas redes sociais.

Segundo o Daily Star, Glitter pode ganhar milhares de dólares com os royalties da música, que foi reproduzida por cerca de 2 minutos no filme.

Coringa estreou como o filme número 1 em bilheteria no Brasil, e faturou mais de R$ 31,7 milhões entre quinta (3 de outubro) até domingo (6 de outubro).