Corpo de James Brown não foi deslocado, diz diretor de funerária

Filha ilegítima de Brown havia alegado que o corpo do cantor estava desaparecido

Da redação Publicado em 16/03/2010, às 10h58

Charlie Reid, diretor da C.A. Funeral Home, funerária domiciliar que cuida dos serviços memoriais de James Brown, disse que o corpo do cantor não foi movido do local em que estava, segundo informou o The Augusta Chronicle, jornal local de Augusta, na Geórgia (EUA).

Na semana passada, LaRonda Pettit, filha não-reconhecida de Brown, disse que o corpo do cantor, falecido em dezembro de 2006, foi roubado. Mas, aparentemente, o corpo continua no mesmo lugar - em uma cripta na casa de sua outra filha, Deanna Brown, localizada na Carolina do Sul, enquanto o mausoléu aberto ao público não fica pronto.

"Não é verdade", disse Reid ao jornal The Augusta Chronicle. "O corpo teria que ter passado por nós. Nós teríamos sido contatados caso isso tivesse acontecido".

Reid ainda disse que a família não notificou as autoridades sobre o desaparecimento do corpo. "E, se a família planeja movê-lo, é necessário fazer um pedido de licença".

James Brown morreu em 25 de dezembro de 2006, em Atlanta. Os responsáveis nunca realizaram uma autópsia no corpo do cantor, mas concluiram que a causa da morte foi um ataque cardíaco.

Pettit acredita que a causa da morte de seu pai é suspeita, ainda mais porque sempre lhe foi negado o pedido de autópsia. "Estou convencida de que sua morte foi suspeita e quero os responsáveis encaminhados à justiça", disse ao Daily Mirror.

Elif Crawford, porta-voz de Deanna Brown, disse que ela não vai comentar sobre o pedido de Pettit. Segundo ele, a família pretende emitir uma declaração futuramente.

"Isso seria uma ofensa criminal", disse Reid sobre o pedido de Pettit. "Se esse fosse o caso, ela teria que falar com a polícia".