Courtney Love não será despejada

Petição que acusa a cantora de não pagar aluguel foi desconsiderada

Pamela Chelin Publicado em 23/01/2012, às 10h28

Courtney Love
AP

Courtney Love não será despejada de sua casa em West Village, no fim das contas. Após ouvir argumentos na Corte Imobiliária de Nova York, a juíza Jean T. Schneider divulgou sua decisão de desconsiderar a petição feita contra Love em novembro pela proprietária do imóvel, Donna Lyon, pedindo dinheiro de aluguel e que ela fosse despejada.

Inicialmente, o acordo de aluguel de Love exigia que ela pagasse um depósito e mais seis meses de aluguel. Depois desse tempo, ela deveria pagar os seis meses seguintes. Antes desse primeiro período de meio ano, contudo, o contrato de Love foi modificado e passou a dizer que ela deveria pagar esse aluguel mensalmente, sendo que o valor é de US$ 27 mil.

De acordo com o combinado modificado, Love pagou seu aluguel mensal tanto em setembro, quanto em outubro, e o dinheiro foi aceito pela proprietária, que depois tentou voltar aos termos iniciais do contrato, afirmando que Love ainda devia a ela.

Segundo a juíza Schneider, já que Love estava pagando mensalmente e Lyon aceitou, o novo acordo mensal foi selado. E como a petição contra Love exigia um dinheiro que ela ainda não tinha que ter pago, esse valor foi considerado “aluguel ainda não vencido” e o processo foi encerrado.

“Estamos contentes com isso”, disse o advogado de Love, Eric Sherman, à Rolling Stone EUA. "A Corte concordou com a nossa posição. A posição de Courtney era que o pedido da proprietária deveria ser dispensado e a Corte determinou corretamente que o processo era errôneo desde o começo – não só Courtney pagou o aluguel no prazo, como em diversas ocasiões ela o pagou antes que ele vencesse. Essas eram alegações sem base alguma.”

O advogado Norman Flitt, que representa Lyon, não quis comentar o caso. Em vez disso, focou na acusação de que Love teria feito alterações no apartamento. "A briga a respeito das modificações não fazia parte do caso do aluguel e segue sem resolução", ele diz – apesar de acrescentar que essa disputa ainda não foi levada à justiça.