Criador do termo “Fab Four”, assessor dos Beatles Tony Barrow morre aos 80 anos

Barrow organizou audição da banda na gravadora Decca e registrou a última apresentação ao vivo do quarteto de Liverpool

Rolling Stone EUA Publicado em 17/05/2016, às 13h56 - Atualizado às 17h40

Tony Barrow, antigo publicitário e assessor de imprensa dos Beatles, que morreu em 2016 aos 90 anos
Rex Features/AP

O primeiro assessor de imprensa e publicitário dos Beatles, Tony Barrow, que cunhou o indelével apelido “Fab Four” (os quatro fabulosos) e ajudou a configurar a visão que o mundo tinha dos Beatles, morreu aos 80 anos de idade no último sábado, 14, em Morecambe, na Inglaterra.

A morte de Barrow foi confirmada por Mark Lewisohn, um historiador dos Beatles que conheceu Barrow por décadas e pelo site do jornal norte-americano New York Times nesta terça, 17.

Barrow começou a carreira como escritor quando tinha 17 anos, fazendo resenhas de discos sob o nome “Disker” no The Liverpool Echo. Em dezembro de 1961, Brian Epstein o abordou e pediu a ele que mencionasse um grupo de fama crescente, chamado Beatles, em sua coluna “Off the Record”.

Na ocasião, Barrow recusou o pedido porque a banda não tinha nenhum material gravado à época. Depois, Epstein deu a ele uma gravação de baixa qualidade da banda tocando ao vivo e Barrow arranjou a famosa audição dos Beatles com a gravadora Decca.

LEIA TAMBÉM

[Galeria] As 10 melhores trocas de instrumentos dos Beatles

Entenda os mistérios por trás da capa de Abbey Road

[Lista] Dez grandes momentos da carreira de George Martin

Depois de os Beatles assinarem com a subsidiária da EMI, a Parlophone, em 1962, Barrow se tornou assessor de imprensa e publicitário de uma nova companhia, a NEMS Eterprises. Com sólida formação em jornalismo musical, Barrow distribuiu os releases de imprensa aos antigos companheiros. Em um comunicado, ele disse que os Beatles eram o “Fab Four”.

Barrow também escreveu notas de rodapé para os primeiros álbuns e EPs dos Beatles na Inglaterra. Ele convenceu a banda a gravar um disco natalino para ser enviado a integrantes do fã clube. Paul McCartney até pediu a Barrow para gravar o show derradeiro da banda, no Candlestick Park, em São Francisco (nos EUA), em 29 de agosto de 1966. Ainda que o registro nunca tenha sido lançado oficialmente, ele já foi vastamente distribuído em bootlegs.

Barrow e os Beatles eventualmente pararam de trabalhar juntos, após a morte de Epstein, em 1967. O quarteto de Liverpool depois fundou a própria companhia, a Apple, e Barrow depois deixou a NEMS para começar a própria companhia publicitária, a Tony Barrow International (posteriormente Tony Barrow International Management).

Antes de deixar a profissão de lado em 1980 – quando voltou a escrever e editar –, Barrow representou diversos artistas da MCA Records, além de The Kinks e Bee Gees. Em 2005, ele publicou um livro de memórias relacionadas ao tempo dele com os Beatles, chamado John, Paul, George, Ringo & Me: The Real Beatles Story.

Barrow deixa a esposa e dois filhos, Michael e Mark.