Crise nas Infinitas Terras chega ao fim: O que deu (muito) certo e o que deu (muito) errado no crossover da DC

O crossover televisivo do arrowverse terminou, e é hora de ver os acertos e erros

Redação Publicado em 16/01/2020, às 08h46

None
Crise nas Infinitas Terras (foto: reprodução Warner)

Crise nas Infinitas Terras, o maior crossover televisivo do arrowverse, chegou ao fim. Foram 5 episódios unindo todas as séries da DC e vários personagens novos em uma luta desesperada para salvar as Terras alternativas.

Depois das reviravoltas e furos na história, o evento teve acertos e erros em igual quantidade. Listamos alguns deles abaixo, conforme citados pelo Looper.


Acerto: Transformar Oliver Queen no Espectro

Oliver Queen pareceu ter se sacrificado logo no primeiro episódio. Porém, foi revelado que ele se tornou o Espectro, um herói da DC que atua como uma entidade, uma força que luta pelo equilíbrio e busca se vingar do Anti-Monitor. O sacrifício final de Oliver Queen para reiniciar o universo e trazer todos os heróis de volta para a batalha foi a melhor parte do último episódio. 

+++LEIA MAIS: Crise nas Infinitas Terras: Brandon Routh, o Superman de 2006, teve apenas uma condição para retornar ao papel na série


Erro: Muitos furos de roteiro

Vários ajustes no meio do caminho, modificações sem sentido na história e dispositivos mágicos que simplesmente salvam o dia tiram um pouco do brilho do crossover, e podem irritar muito aqueles que apreciam um roteiro coeso e encaixado.


Acerto: Lex Luthor

Jon Cryer deu vida a uma das versões mais divertidas de se assistir de Lex Luthor. Com planos maquiavélicos para matar o Superman em cada uma das realidades do multiverso, até tentar manipular o monitor ou reescrever a realidade para virar um herói, o personagem foi um dos pontos altos.


Erro: Batalhas simples e sem sentido

O crossover cria momentos diversas vezes só para passar o tempo. O Anti-Monitor manda diversos minions para atrapalhar os personagens, mas até pessoas normais conseguem derrotá-los, tirando a carga dramática das cenas.

+++LEIA MAIS: Superman vs Homelander, de The Boys - Quem ganharia em uma luta? [ANÁLISE]


Acerto: Um dos melhores Batman

Trazer Kevin Conroy, o dublador do Batman no desenho animado e games, como uma versão mais velha, debilitada e amarga de Bruce Wayne foi uma excelente jogada. Além da grande referência nerd e a familiaridade de Conroy com o personagem, a nova versão ainda contribui para a história do Homem-Morcego, e introduz coisas novas, como o trauma de ter sido forçado a matar o Superman da Terra dele.


Erro: O Pária não faz sentido

Ele é um personagem importante nos quadrinhos da Crise, pois é o Pária quem libera o Anti-Monitor. Além do crossover não dar motivos para essa outra versão fazer isso, os poderes dele são inconsistentes e sem explicação.


Acerto: Raio Negro

Incorporar o herói que teve apenas uma aventura solo em série ao crossover foi uma ótima ideia. O Raio Negro voltou a ser um dos favoritos dos fãs, e a quimíca do personagem com o Flash foi instantânea.

+++LEIA MAIS: Flash do cinema encontra o Flash da TV e mostra que a DC criou o próprio multiverso; assista


Erro: O Anti-Monitor foi um Anti-Personagem

Sem motivação alguma, sem planos para deter os heróis, e parecendo até burro em momentos, o Anti-Monitor não pareceu uma grande ameaça para os heróis, apenas um lembrete do motivo por trás da união deles.


Acerto: Super-Amigos

O memorial construído para Oliver Queen na cena final em um laboratório que tem o mesmo formato da Sala da Justiça de Super-Amigos, o clássico da Hanna Barbera, foi umas das referências mais legais e inesperadas do crossover. Os heróis caminhando juntos com o tema do desenho foi um ótimo final.


Erro: Poucas mortes significativas

No final do crossover, todas as mortes são revertidas exceto pelo Arqueiro Verde. Foi uma decisão aceitável tendo em consideração o final de Arrow e o adeus de Stephen Amell ao universo DC, mas ainda assim não teve impacto suficiente.


+++ CORUJA BC1: 'FAÇO MÚSICA PARA SER ATEMPORAL E MATAR A MINHA PRÓPRIA MORTE'