Cultura Inglesa 2016: Lúcio Maia, guitarrista do Nação Zumbi, relembra 25 anos de carreira da banda expoente do manguebeat

O setlist do grupo será exclusivamente de covers de bandas inglesas na apresentação deste domingo, 12

Gabriel Nunes Publicado em 12/06/2016, às 10h03 - Atualizado às 12h26

A banda, como de costume, se apoiou nos riffs de guitarra característicos de Lúcio Maia (foto) em canções como "Manguetown" e "Rios, Pontes & Overdrives"
Fernando Morra

“Mudou tudo, mudou cabelo, flacidez…”, brinca o guitarrista Lúcio Maia sobre a passagem do tempo. Lá se vão 22 anos de carreira ao lado do Nação Zumbi. “Nosso passado é legal, mas é melhor ainda olhar adiante em busca de novas diretrizes.” Expoente da cena manguebeat, a banda recifense sobe ao palco do Cultura Inglesa Festival 2016 neste domingo, 12, para cantar clássicos do The Clash e dos Beatles.

Embora seja considerado por muita gente um movimento da contracultura brasileira, de influência comparável as da tropicália e da bossa nova, Maia tem uma visão um tanto quanto divergente da maioria das pessoas.

“Na real, não acho que tenha sido um movimento, uma coisa que coube a vários outros artistas e que teve uma abrangência geral”, diz o músico à Rolling Stone Brasil. “O manguebeat foi algo criado por nós e para nós, para atender às nossas próprias necessidades.”

De qualquer forma, é inegável que muita gente foi e ainda é influenciada pelo legado musical do Nação Zumbi. Não à toa, aproximadamente dez mil pessoas compareceram ao velório do ex-vocalista do grupo recifense, Chico Science, morto em 2 de fevereiro de 1997, vítima de um acidente de carro. “Ele foi uma pessoa muito importante na nossa vida não apenas como líder da banda. Foi uma perda muito forte para todos nós”, afirma Maia. O músico ainda conta que, para 2017 a banda está preparando um box especial em homenagem aos vinte anos da morte do proeminente ex-vocalista e letrista do grupo. “Temos que seguir em frente. Se tivéssemos parado no tempo ou então deixado para lá, Chico com certeza teria se decepcionado.”

LEIA TAMBÉM

Cultura Inglesa 2016: Craig Roberts explora timidez da adolescência em filme inspirado por música de Eminem

Cultura Inglesa 2016: hit inesperado, filme Northern Soul retrata movimento britânico de música dançante

Cultura Inglesa 2016: Compositor da trilha de Amy, o brasileiro Antonio Pinto fala sobre seu processo criativo

Além do box especial, o guitarrista do Nação Zumbi declara estar trabalhando ao lado do grupo em um oitavo disco de estúdio. “Ainda está em fase de mórula, então estamos dando um tempinho para poder começar a falar sobre ele e a divulgar qualquer coisa a respeito. Estamos trabalhando bastante as novas músicas”, afirma.

Do Manifesto dos Caranguejos com Cérebro ao palco do Cultura Inglesa Festival, a banda prepara um repertório diferenciado, voltado ao rock britânico, para o domingo, 12. “Escolhemos para esse dia algumas bandas que consideramos seminais, que marcaram muito nossa vida e nosso som”, diz o guitarrista. “Sempre gostei muito de me apresentar em festivais. Durante essas ocasiões rola um aglomeração de público, e isso é muito bacana porque você pode conhecer novas pessoas e descobrir novas músicas.”

Cultura Inglesa Festival

12 de junho (domingo)

Memorial da América Latina – Av. Auro Soares de Moura Andrade, 664 – Barra Funda, SP

Grátis

15h – Staff Only (banda de professores da Cultura Inglesa)

15h55 – Finger Hook (banda de alunos da Cultura Inglesa)

17h – Nação Zumbi (interpretando sucessos de artistas da British Invasion)

18h40 – Kaiser Chiefs