Rolling Stone
Busca
Facebook Rolling StoneTwitter Rolling StoneInstagram Rolling StoneSpotify Rolling StoneYoutube Rolling StoneTiktok Rolling Stone

Dahmer: produção da Netflix foca em vida real do cannibal americano

Conversando com um serial killer: O canibal de Milwaukee traz entrevistas e áudios inéditos de Jeffrey Dahmer

Redação Publicado em 07/10/2022, às 13h26

WhatsAppFacebookTwitterFlipboardGmail
Jeffrey Dahmer (Foto: reprodução)
Jeffrey Dahmer (Foto: reprodução)

Mais uma produção sobre Jeffrey Dahmerchega à Netflix nesta sexta-feira (7), dessa vez em formato documental. Conversando com um serial killer: O canibal de Milwaukee traz entrevistas e áudios inéditos do serial killer. 

Dirigido por Joe Berlinger, responsável pelas produções que contam com áudios de Ted Bundy e John Wayne Gacy, dois outros assassinos, a série se propõe desvendar e analisar a vida real de Dahmer.

+++LEIA MAIS: Diretor de Round 6 convida Leonardo Dicaprio para elenco

De acordo com a Netflix, a série documental conta com "entrevistas gravadas recentemente desenterradas" com a equipe jurídica, e mostra como o canibal foi capaz de "explorar as comunidades marginalizadas de Milwaukee", conforme repercutido pelo Today.

"O serial killer Jeffrey Dahmer confessa seus crimes hediondos em entrevistas que revelam sua mente doentia", diz a sinopse da Netflix Brasil.

Os crimes de Jeffrey Dahmer

Dahmer cometeu seu primeiro assassinato em 1978, a vítima foi um jovem chamado Steven Hicks de 19 anos que pedia carona na estrada. Ao avista-lo, Dahmer o convidou para ir até a sua casa beber e ouvir música. 

Após algumas horas, Steven Hicks disse precisava ir embora, mas Dahmer não queria deixa-lo. Ao virar de costas, Hicks foi acertado com um haltere de 5 kg e caiu inconsciente, o assassino o estrangulou até a morte.

Jeffrey Dahmer (Foto: reprodução)
Jeffrey Dahmer (Foto: reprodução)

+++LEIA MAIS: Blade Runner: Amazon Prime Video anuncia sequência do filme clássico

Dahmer então retirou as roupas de Hicks e se masturbou em cima do corpo. No dia seguinte, levou-o até o porão e o dissecou, enterrando os seus restos no quintal de trás. Semanas mais tarde, exumou o corpo e retirou a carne dos ossos com uma faca e dissolveu a carne em ácido. Ele então pegou uma marreta e destruiu os ossos de Hicks.

Após nove anos, Dahmer voltou a cometer assassinatos. Em 1987 encontrou Steven Tuomi, um rapaz de 25 anos em um bar e posteriormente o convidou para sua casa. Dahmer afirma que a intenção inicial era droga-lo e estupra-lo, mas Tuomi foi morto naquela noite. Dahmer afirma que não se lembra, mas não nega que tenha o matado inconscientemente.

+++LEIA MAIS: Ex-traficante processa Netflix por plágio em 'A Rainha do Sul'

Após o assassinato de Tuomi, Dahmer começou a ativamente procurar novas vítimas, especialmente em bares gays. Ele drogava suas vítimas antes ou pouco depois de iniciar um ato sexual com eles. Depois de deixar a vítima inconsciente com pílulas para dormir, ele as matava por estrangulamento e dissolvia a carne em ácido.