Daniel LaRusso é o pior dos piores em Cobra Kai da Netflix? Site elenca 5 motivos para acreditar

Mudanças de perspectivas na série mostram que Johnny Lawrence não era nem um pouco malvado em Karatê Kid

Redação Publicado em 10/09/2020, às 11h11

None
Ralph Macchio como Daniel LaRusso em Cobra Kai (Foto: Reprodução)

Desde a estreia de Karatê Kid (1984), o público sempre imaginou que o protagonista Daniel LaRusso, interpretado por Ralph Macchio, era uma das melhores pessoas que já existiram, enquanto Johnny Lawrence 
era um verdadeiro valentão e bastante ruim. No entanto, Cobra Kai, série da Netflix e continuação do longa, mostra que LaRusso é, na verdade, o pior dos piores.

O site Cinema Blend elencou 5 motivos (com spoilers) para acreditar que o personagem é verdadeiramente uma pessoa ruim, de acordo com o mostrado nas duas primeiras temporadas de Cobra Kai. Veja abaixo.

+++LEIA MAIS: Todas as diferenças dos poderes da HQ de The Umbrella Academy e a série da Netflix [LISTA]


Daniel continuou com raiva de Johnny, mesmo 30 anos depois

Infelizmente, é bastante comum nós guardamos rancores na vida, mas Daniel LaRusso manter a rivalidade com Johnny Lawrence por décadas é um pouco exagerado, convenhamos. 

Os dois se enfrentaram há mais de 30 anos ao longo de um ano inteiro, e Daniel venceu a rivalidade e teve uma ótima carreira no caratê depois disso. Segundo o site, o personagem não tem nenhuma razão para ser mesquinho todas essas décadas depois, e ainda assim ele ainda guarda tanto ódio no coração pelo "vilão" por muito tempo depois dos acontecimentos.

Sim, Johnny bastante irritante, mas como você pode realmente ficar com tanta raiva quando se saiu por cima?


Esforços de Daniel para acabar com o novo Cobra Kai

Dá para entender o fato de Daniel poder não gostar ativamente da maneira como Cobra Kai ensina caratê aos alunos e ter a vontade de dar outra alternativa aos adolescentes aprenderem artes marciais.

O que não faz sentido é o quanto ele fez para prejudicar o negócio de Johnny Lawrence ou impedi-lo de funcionar, mesmo sabendo que o personagem não estava bem na vida. Tentar convencer o proprietário a não mantê-lo nos negócios e manter a equipe de Johnny fora do torneio era ridículo. Ainda be, que outros perceberam isso também.


Sobrecarregou a esposa para ir atrás dos sonhos

Na segunda temporada, quando Daniel começou a dedicar tanto tempo ao Miyagi-Do, ele acabou pordeixar Amanda com todo o trabalho na concessionária. Ele tinha o dinheiro que poderia ter contratado alguém para cuidar do dojo enquanto ele cuidava do
ganha-pão, em vez de sobrecarregar a esposa.

O Cinema Blend deu algumas alternativas. Daniel poderia ter dado aulas após o horário comercial ou contratado empreiteiros para reformar a escola. Ele deveria ter um plano melhor para começar o dojo de caratê que não tornasse o trabalho um fardo para os outros.


Ele usa adolescentes para se beneficiar com a briga entre Johnny

Também deve ser apontado que o Miyagi-Do foi explicitamente criado por Daniel LaRusso para combater o impacto do Cobra Kai sobre as crianças em Los Angeles. E, na realidade, o dojo de Johnny não coloca o mundo em chamas.

Então, Daniel acabou por roubar alguns alunos de Johnny, e, mais uma vez, como era de se esperar, ele fez apenas um movimento mesquinho. Ainda mais mesquinho que ele virou essas crianças contra Cobra Kai, e isso culminou em uma briga enorme na escola pela qual ele deveria assumir alguma responsabilidade.


Daniel tem complexo de superioridade

Sim, Daniel LaRusso tem um complexo de superioridade, mas não de uma forma óbvia. Na 1ª temporada de Cobra Kai, ele é um homem casado, uma ótima casa e um negócio de sucesso.

No entanto, de acordo com o Cinema Blend, parte do motivo pelo ele está tão empenhado em ir contra Johnny Lawrence é que ele está parcialmente com ciúme do sucesso do inimigo e da paixão renovada que ele inspirou pelo caratê.

Daniel tem tudo, mas não o suficiente, e isso o fere por não poder entrar totalmente no mundo do caratê novamente como Johnny fez.


+++ BK' lança novo disco e fala sobre conexão com o movimento Vidas Negras Importam: 'A gente sabia que ia explodir'