Lady Gaga, Lorde e Dave Matthews Band reagem a protesto neonazista em Charlottesville, nos EUA

“Discurso de ódio disfarçado de liberdade de expressão é algo covarde e vergonhoso”, escreveu a banda, que surgiu na cena musical da cidade nos anos 1990

Rolling Stone EUA Publicado em 14/08/2017, às 13h02 - Atualizado às 14h23

Dave Matthews Band, Lady Gaga e Lorde

Ver Galeria
(3 imagens)

A Dave Matthews Band, Lorde, Lady Gaga e John Legend estão entre os artistas que reagiram ao ato de nacionalistas brancos organizado em Charlottesville, no estado norte-americano de Virgínia, no último sábado, 12. Eles também criticaram o fato de Donald Trump não ter falado de forma direta sobre a questão da supremacia branca no país. A atividade dos neonazistas começou na última sexta, 11, e no dia seguinte uma mulher de 32 anos, que protestava contra a marcha racista, acabou sendo morta.

A Dave Matthews Band, que começou na cena musical de Charlottesville no início dos anos 1990, escreveu que os integrantes estavam “enojados pelos atos de terrorismo racista e cheio de ódio que ocorreram na nossa cidade natal no fim de semana”.

“Assim como muitos, nossos corações estão partidos. Nossos pensamentos estão com as famílias e vítimas desses atos inacreditáveis. Esta não é a Charlottesville que conhecemos e amamos”, o grupo continuou. “Esta cidade cresceu a partir da grandiosa, mas por vezes difícil, história dela e está marchando em direção a um futuro inclusivo. Esse assassinato e aqueles que o incitaram não são o que aspiramos ser. Vamos trabalhar sem descanso ao lado de nossa comunidade para ajudar uns aos outros, para que todos nós possamos nos curar desse terror doentio. Discurso de ódio disfarçado de liberdade de expressão é algo covarde e vergonhoso. Esse tipo de discurso permite que os crimes que testemunhamos hoje ocorram. Não há nada de puro, aceitável ou filosófico sobre o nazismo, ou o nazismo mascarado de herança.”

A Dave Matthews Band concluiu a publicação no site da banda afirmando, “o mosaico multicultural que é a América deve se unir, reconhecer nossa difícil mas extraordinária história. Nós devemos nos afastar dos elementos racistas e ignorantes no nosso passado em direção a um futuro mais inclusivo, bondoso e inteligente”.

Após os confrontos em Charlottesville, em que uma mulher foi morta quando um supremacista branco atropelou pessoas que protestavam contra o ato organizado pela Unite the Right, Lorde tuitou: “Eu apenas quero dizer que eu sinto muito. Todas as pessoas brancas são responsáveis pela prosperidade e queda desse sistema. Temos que ser melhores. Eu sinto muito. Sendo uma pessoa branca privilegiada, que não é cidadã dos Estados Unidos, eu acho que tuitar para relembrar como as pessoas negras são tratadas de forma horrível aqui é desnecessário e inapropriado”.

“Eu rezo para que um verdadeiro líder surja para livrar a América do ódio. Isto não é os Estados Unidos. Isto é anti-americano”, Gaga tuitou. “Eu sei que não somos criados para odiar uns aos outros, mas para ajudar e amar.”

Legend escreveu: “Temos simpatizantes do nazismo e nacionalistas brancos na Casa Branca. Condene-os também. Eles não devem receber o dinheiro dos nossos impostos”. Em resposta a um tweet de Paul Ryan, Presidente da Câmara dos Representantes dos Estados Unidos, Legend urgiu para que ele “peça o impeachment dos supremacistas brancos na Casa Branca ou cale a boca”.