David Gilmour toca “Wish You Were Here” pela primeira vez em mais de dois anos; assista

Guitarrista do Pink Floyd fez rara aparição em show do Bombay Bicycle Club em Londres

Rolling Stone EUA Publicado em 15/12/2014, às 16h03 - Atualizado em 16/12/2014, às 15h45

David Gilmour se apresenta na Itália, em 2006, na turnê do último disco solo dele, On the Island

Ver Galeria
(8 imagens)

The Endless River pode até marcar o “fim” do Pink Floyd, mas isso não significa que David Gilmour irá parar de tocar canções da banda. O guitarrista fez uma raras aparição na noite do último sábado, 13, em um show do Bombay Bicycle Club no Earls Court, em Londres. Primeiro, ele tocou guitarra slide em “Rinse Me Down” (do Bombay Bicycle Club) e, depois, apresentou a clássica do Pink Floyd “Wish You Were Here” pela primeira vez em mais de dois anos – assista abaixo.

Entenda o lançamento de The Endless River e o fim do Pink Floyd.

“Este cara me deu a primeira guitarra e foi uma das primeiras pessoas a tocar neste local – pelas minhas contas, ele tocou aqui mais de 27 vezes”, disse o guitarrista do grupo, Jamie MacColl, à plateia. A apresentação do Bombay Bicycle Club no Earls Court seria o último show de todos os tempos na lendária casa, antes de ela ser demolida e reconstruída, então é natural que o músico do Pink Floyd estivesse naquele momento.

David Gilmour e Roger Waters revelam por que a frágil colaboração por trás de The Dark Side of the Moon estava fadada a se desmanchar.

Gilmour tem uma longa relação com o histórico Earls Court Exhibition Centre: o Pink Floyd tocou Dark Side of The Moon na íntegra no local em 1973. Partes do álbum ao vivo Is There Anybody Out There? The Wall Live 1980-81 e todo o filme Pulse (1995) foram gravados no Earls Court. A casa de shows, quando abrigou a performance de The Wall em 1981, foi palco da última apresentação do Pink Floyd com a formação original até a reunião em 2005, para o Live 8.

Assista ao vídeo – divulgado pela NME – abaixo.

“É uma pena, mas é o fim”

The Endless River, o primeiro disco do Pink Floyd desde The Division Bell (1994), é também o último da banda, como confirma David Gilmour. “Creio que comandamos com sucesso o melhor que há. Suspeito isso”, disse ele sobre o futuro da banda. Em entrevista à BBC 6 Music, Gilmour acrescentou: “É uma pena, mas é o fim”.

Veja dez grandes capas de discos criadas por Storm Thorgerson; como Dark Side of The Moon.

The Endless River é um fluxo contínuo de música que cresce gradualmente por quatro partes separadas durante 55 minutos”, disse o guitarrista. “Há, de certa forma, uma continuação do álbum Division Bell, sendo a última frase de Division Bell ‘the endless river’ – ‘the endless river forever and ever’ no fim da canção ‘High Hopes’”. Para o lançamento, Gilmour e o baterista Nick Mason revisitaram e retrabalharam no que sobrou das sessões de estúdio de Division Bell como forma de homenagear o tecladista Rick Wright, que morreu em 2008.

“O único conceito é o conceito de eu, Rick e Nick estarmos tocando juntos da maneira que fizemos no passado, mas esquecemos que fizemos, e foi instantaneamente familiar”, comentou Gilmour. Mason acrescenta, “Acho que Rick ficaria animado. Penso que este disco é uma boa maneira de reconhecer a dimensão do que ele fez. O elemento mais significativo foi, sinceramente, ouvir o que Rick fez, porque, ter perdido Rick, lembrou-nos do quão especial ele era como músico”.

O guia definitivo da Rolling Stone Brasil para a história, a obra e as loucuras da banda mais ambiciosa do rock and roll, o Pink Floyd.

The Endless River ainda conta com contribuições do físico Stephen Hawking, cuja “voz” aparece na faixa “Talkin’ Hawkin’” duas décadas depois de ele ter falado em “Keep Talkin’”, de Division Bell, além das composições de Anthony Moore e Samson. O quarteto de cordas Escala também aparece em “Louder Than Words”. Phil Manzanera, guitarrista do Roxy Music, ajudou a produzir o álbum.