De fanfics a best-sellers: como histórias criadas por fãs venceram a barreira teen e bombaram em Hollywood com '50 Tons de Cinza' e 'After'

O sucesso das fanfics ultrapassou as barreiras do universo online e criou um mercado milionário de filmes e livros

Clara Guimarães Publicado em 08/08/2020, às 18h00

After (Foto 1); Cinquenta Tons de Cinza (Foto 2)
Reprodução/Youtube

O termo fanfiction é usado para denominar histórias de ficção criadas por fãs. Com enredos e personagens baseados em bandas, atores, livros, filmes, peças de teatro e mais, esses textos se popularizaram junto à internet nos anos 1990 e ganharam uma proporção ainda maior recentemente, quando saíram do universo online.

Cinquenta Tons de Cinza encerrou a saga no ano de 2018 com arrecadação de bilheteria de mais US$370 milhões - contando apenas o último longa. After, um livro que nasceu de uma fanfic sobre One Direction, está prestes a ganhar uma sequência, depois de ter sido o filme independente mais lucrativo de 2019. 

+++ LEIA MAIS: 365 Days: Filme da Netflix promete ser mais 'quente' que 50 Tons de Cinza

Qual a história das fanfics e como essas narrativas criadas por fãs venceram a barreira teen e bombaram em Hollywood?

História

As fanfics tiveram um grande boom no Brasil nos anos 1990. Graças à popularização da internet e ao sucesso da saga Harry Potter, muitos fãs se sentiram inspirados para escrever continuações ou histórias sobre os personagens dos livros.

A internet é um player importante nesse cenário de popularização das fanfics por oferecer a oportunidade ao consumidor de se transformar no produtor, mas o estilo literário já existia muito antes do surgimento do universo online.

Alguns pesquisadores acreditam que o nascimento da fanfic remete à mesma origem do romance brasileiro: os folhetins do século XIX. As narrativas fictícias que eram distribuídas periodicamente no jornal com o intuito de entreter poderiam ser completamente novas ou adaptações de romances europeus, fazendo um paralelo com as fanfics no quesito de conteúdo e distribuição.

+++ LEIA MAIS: 13 Reasons Why: Relembre as polêmicas da série

Mais que isso, porém, os folhetins ajudaram a popularizar a literatura no século XIX no Brasil, quando grande parte da população não tinha acesso a livros ou sequer era alfabetizada. Da mesma forma, ao considerar o devido contraste temporal, este estilo criado por fãs também contribuiu para proporcionar uma nova dinâmica e ser acessível à população.

Se você ainda acha loucura comparar histórias como Cinquenta Tons de Cinza com folhetins do século XIX, talvez essa curiosidade tire seu cepticismo. Você sabia que Romeu e Julieta é, na verdade, uma fanfic escrita por Shakespeare?

+++LEIA MAIS: Séries que deveriam ser canceladas antes de estragarem - sim, lá vem polêmica

William Shakespeare se inspirou no poema A Trágica História de Romeu e Julieta, publicado em 1582, para escrever o romance. O dramaturgo usou personagens da versão original de Arthur Brooke, mas deu a própria cara à obra de sucesso. Da mesma forma fizeram E.L James, Cassandra Clare e Anna Todd na contemporaneidade. 

De Fanfic à Best-Seller

  • Cinquenta Tons de Cinza

Uma das fanfics mais bem sucedidas, que já foi citada anteriormente, é a trilogia de Cinquenta Tons de Cinza. Quando E.L James começou a escrever a história, Anastasia Stelle e Christian Grey eram, na verdade, Bella e Edward, os protagonistas de Crepúsculo.

Além dos nomes, as personalidades e a história são muito semelhantes - tirando toda a parte do vampirismo. A fragilidade de Bella, a brutalidade de Edward e o romance baseado na crença de que a mulher pode "salvar" o homem estão presentes na saga de E.L James.

A fanfic fez tanto sucesso na internet que se tornou uma trilogia de livros: Cinquenta Tons de Cinza,Cinquenta Tons Mais Escuros e Cinquenta Tons de Liberdade. E o sucesso apenas cresceu com o lançamento dos filmes.

+++ LEIA MAIS: Hollywood aumentou representatividade de mulheres e negros, mas ainda deixa a desejar

Segundo informa o Estadão, no Brasil, as vendas do livro chegaram a 260 mil cópias em apenas 40 dias de lançamento. Logo, os direitos do filme foram comprados por Hollywood, com o primeiro longa arrecadando mais de US$570 milhões de dólares em bilheteria.

  • Instrumentos Mortais

A saga de Instrumentos Mortais, de Cassandra Clare, não é uma fanfic em si. Apesar de vários rumores afirmando que a autora escreveu os livros baseados no universo de Harry Potter,  tudo não passa de um mal-entendido.

Na verdade, a autora ficou famosa na internet escrevendo fanfics de Harry Potter e demonstrou várias vezes o apreço por J.K Rowling e Stephanie Meyer. Graças ao sucesso dessas narrativas, a escritora conseguiu superar a barreira do universo teen online e publicou a saga original Instrumentos Mortais

+++ LEIA MAIS: Tom Holland quer mais representatividade na Marvel: O mundo não é só sobre caras brancos

Os livros contam a história de uma adolescente que acreditava ser normal até presenciar um assassinato e descobrir, sem querer, um mundo de lobisomens, vampiros, caçadores de sombras e outros seres sobrenaturais.

A saga completa vendeu cerca de 15 milhões de exemplares mundialmente. Instrumentos Mortais também ganhou filme e até uma série.

  • After

Mais recentemente, outra fanfic está em grande evidência na mídia devido ao futuro lançamento de uma sequência. After, livro best-seller de Anna Todd, nasceu no WattPad como uma história sobre os integrantes do One Direction.

Todd começou a escrever After pelo celular, publicando um capítulo por dia no aplicativo do Wattpad durante todo o ano de 2013. A história rapidamente se tornou a mais lida da plataforma, batendo o recorde de 1,6 bilhão de leituras.

+++ LEIA MAIS: As 32 músicas da trilha sonora de Para Todos os Garotos 2: de Billie Eilish a Backstreet Boys

A edição impressa vendeu mais de 11 milhões de exemplares, e chamou a atenção das produtoras de cinema. Os direitos de adaptação chegaram a ser comprados pela Paramount Pictures, que não seguiu com os planos.

O primeiro filme de After foi produzido pela Aviron Pictures com direção de Jenny Gage e se tornou o longa independente mais lucrativo de 2019, com bilheteria mundial de mais de U$69 milhões. Agora, a produtora se prepara para lançar a sequência da história escrita por Anna Todd. After 2: Depois da Verdade está marcado para estrear no dia 2 de setembro.

E as críticas?

Embora seja impossível questionar o sucesso de vendas e bilheteria que foram Cinquenta Tons de Cinza e After, ainda existe uma barreira de críticos do cinema que as fanfics não conseguiram impressionar. 

O primeiro filme de Cinquenta Tons de Cinza conseguiu uma avaliação de 25% no Rotten Tomatoes, o segundo recebeu 11% e o último, 12%. Entre as muitas críticas técnicas de atuação e roteiro, existem também aquelas que tratam de um problema mais profundo desse tipo de fanfic: o machismo e abuso.

+++ LEIA MAIS: 6 filmes teen na Netflix para entender os adolescentes da última década

Tanto Hardin Scott, protagonista de After, quanto Christian Grey, são retratados como parceiros dos sonhos, romantizados pelas adolescentes. Mas, um olhar mais crítico, enxerga o comportamento abusivo dos namorados de Tessa e Anastasia.

O clichê do romance em que a protagonista torna o homem uma pessoa melhor também não agradou muito os críticos. O primeiro filme de After conseguiu uma pontuação de 19% no Rotten Tomatoes, agora precisamos esperar para ver se a sequência corrigirá ou repetirá os mesmos erros.


+++RAP, FUNK E PAGODE NA ENTREVISTA COM OROCHI: 'SOU ESSA MISTURA LOUCA' 


+++ PLAYLIST COM CLÁSSICOS DO ROCK PARA QUEM AMA TRILHAS SOBRE DUAS RODAS