De ídolo a homenageado: Melim afasta todas as distrações em disco acústico de reinterpretações de Djavan [ENTREVISTA]

Deixa Vir Do Coração nasceu da vontade de Melim de conectar a obra de Djavan com novas gerações

Marina Sakai (sob supervisão de Yolanda Reis) Publicado em 03/07/2021, às 16h00

None
Capa de Deixa Vir Do Coração, disco da banda Melim (Foto: Sergio Blazer)

O trio Melim — composto pelos irmãos Gabriela, Rodrigo e Diogo — estava em uma van em um dos incontáveis dias de uma turnê conversando sobre sonhos realizados e projetos futuros. A proposta de gravar um disco em homenagem ao Djavan com reinterpretações das músicas do artista veio naturalmente: a banda o escuta desde a infância, nos quartos de hotéis, na estrada. São grandes fãs. 

O disco Deixa Vir Do Coração, com título derivado da letra de uma das grandes canções de Djavan,Se,” estreou em 11 de junho de 2021. A banda estava, claro, muito feliz de lançar um trabalho novo, mas esse em específico tinha um “sabor diferente.” Como afirmou Rodrigo em entrevista à Rolling Stone Brasil, “É de muita inspiração. Ele é muito rico musicalmente. Só teria sentido fazer esse tipo de homenagem para alguém verdadeiramente muito importante para nós, e não tinha outra pessoa.”

+++LEIA MAIS: Melim traz positividade e mescla pop, reggae e folk no disco Amores e Flores: 'Nos expressamos musicalmente' [ENTREVISTA]


O processo

Depois do surgimento da ideia, o próximo passo seria conseguir a permissão para gravar e todas as liberdades necessárias para não infringir leis de direitos autorais. Melim seria a primeira banda a gravar um disco inteiro em homenagem a Djavan e para eles, não existia sentimento melhor.

Deixa Vir Do Coração “furou a fila” dos projetos futuros da Melim, pois o trio estava animado demais com a ideia para deixar de lado por muito tempo. Então, chamaram o guitarrista Juliano Moreira para fazer o violão e Max Viana, produtor musical e filho de Djavan, para ajudar no disco, e começaram as gravações. 

+++LEIA MAIS: Djavan 'vai pra Jamaica' em disco com Seu Jorge, Ivete Sangalo, Arnaldo Antunes e mais; ouça 'Sina'

Selecionar as canções não foi fácil. Foi como "soltar três crianças em um parque de diversões," descreveu Gabi. Não houve, no entanto, disputa de egos para resolver quem faria os vocais em cada música, "todos se realizaram e cantaram as desejadas, não teve embate em relação a isso."

Cada um tinha suas preferidas, mas além de simplesmente gostar das canções, a escolha do repertório precisava conversar com o estilo da Melim. Por isso, algumas músicas ficaram fora das 13 faixas finais do disco. A lógica era: o trio tentava esquecer a homenagem e pensava se a canção faria parte do repertório autoral da própria banda. Se a resposta fosse sim, entraria no álbum.

+++LEIA MAIS: Entrevista: Djavan privilegia a memória no novo disco, Vidas pra Contar

Para a Melim, era um grande sonho conhecer Djavan, mas o encontro nunca tinha acontecido até o dia de gravação da música "Outono." Max Viana comentou sobre o projeto com o pai, quem se interessou imediatamente e perguntou se podia participar de algum jeito. O trio de cariocas, claro, disse sim. 

Marcaram o encontro no estúdio com equipe reduzida pelas restrições da pandemia de Covid-19. Segundo Gabi, "foi maravilhoso, é muita conexão. No vídeo, estamos até meio tímidos, parecíamos três bobos, mas porque foi muito especial para nós, cantar olhando no olho dele, dá uma estremecida em tudo."

+++LEIA MAIS: Ousada, orgulhosa e independente: Pabllo Vittar quer mostrar seu Brasil para o mundo [ENTREVISTA]

A banda encarou o momento como uma grande celebração, tentaram aproveitar o máximo possível o tempo limitado com o ídolo: "Contemplamos nosso sonho da melhor forma. Conhecer ele fazendo um trabalho juntos, é realmente algo que eu não conseguia imaginar," complementou Rodrigo.


Interpretação

Além do laço familiar, Max Viana tocou com o pai durante anos, conhece todos os aspectos da música dele e foi essencial para orientar a Melim na hora de entender como homenageá-lo. O produtor conhece a obra de Djavan, mas também compreende a essência e linguagem da banda. A intenção era tratar o trabalho original com muito respeito e, ao mesmo tempo, extrair todas as melhores qualidades da Melim.

+++LEIA MAIS: Estrelada por Liniker, Manhãs de Setembro reflete sobre a construção do afeto com visibilidade LGBTQ+ [ENTREVISTA]

Foi um trabalho conjunto entre Max, Juliano Moreira e Melim, cada um entregando algumas partes da própria vivência, da própria relação com Djavan para "lapidar o diamante" da melhor forma. A banda queria agradar o homenageado com a interpretação, e o produtor passou alguns segredos essenciais para possibilitar isso: "Da escolha das músicas aos arranjos, passando pela concepção do projeto, tudo foi feito com carinho, escolhido a dedo," completou Diogo. 

O maior desafio para realizar a reinterpretação, segundo a Melim, foi a responsabilidade de reproduzir músicas tão importantes para a Música Popular Brasileira. "Tivemos muito carinho, cuidado e amor na hora de aprender as melodias corretamente. É muito diferente ser ouvinte e, de repente, precisar tocar aquela mesma canção. Fomos super minuciosos."

+++LEIA MAIS: Alceu Valença presenteia fãs com 2ª live de São João: 'É o sertão que estará ali' [ENTREVISTA]

O trabalho foi principalmente focado em escutar novamente as músicas com um "ouvido clínico" para reaprender as melodias. A sugestão de Max Viana foi realizar mudanças para ficar perceptível como as alterações eram propositais, para não parecerem erros. "O primeiro passo foi tirar as músicas com exatidão, e o segundo foi criar algo nosso em cima disso," disse Rodrigo.


O acústico

O formato acústico com apenas as três vozes e violão foi escolhido de maneira muito consciente. Segundo Diogo, cada artista se expressa da sua maneira, e o acústico favorece o som da Melim, pois coloca os vocais e harmonias em evidência. É um desafio enorme regravar músicas consagradas, mas tentar reproduzí-las da mesma forma é ainda mais arriscado. 

+++LEIA MAIS: Tal pai, tal filho: Max Cavalera prova que metal está no sangue da família em nova banda com caçula Igor ​[ENTREVISTA]

A saída encontrada foi manter a escolha do arranjo bastante simples, sem distrações ou lugares para se esconder. Eleva as letras compostas por Djavan e demonstra o poder vocal da Melim. "Quanto menos camadas, mais atenção a gente dá para o que tem. Silêncio também é música, não é? Realmente, esse formato voz e violão como o próprio Djavan diz, desnuda o artista," afirmou Rodrigo.

Ao mesmo tempo, o mesmo silêncio exalta as qualidades presentes. No caso da Melim, são as vozes e a grande capacidade de complementação nas harmonias. Outro aspecto para considerar era: gravar as canções de maneira completamente diferente também tira o poder de comparação entre as duas obras.

+++LEIA MAIS: Zélia Duncan transforma angústia em esperança com Pelespírito, disco que marca 40 anos de carreira [ENTREVISTA]

No final, todos — a equipe, a banda e o próprio Djavan — ficaram super satisfeitos com o resultado. Para Gabi, uma das características mais bonitas do projeto é talvez conseguir conectar gerações mais novas com a obra do grande artista e "ser porta voz de composições atemporais de tanta riqueza musical e consistência."

Deixa Vir Do Coração foi distribuido pela Universal Music Brasil e está disponível em todas as plataformas digitais.

+++LEIA MAIS: Tuyo propõe novos diálogos e desdobramentos em Chegamos Sozinhos em Casa: 'É um experimento de popularização da nossa linguagem' [ENTREVISTA]


+++ OS 5 DISCOS ESSENCIAIS DE BOB DYLAN | ROLLING STONE BRASIL