Democracia em Vertigem, filme sobre impeachment de Dilma, coloca Brasil no Oscar depois de três anos

Além do documentário, a renomada Academia de Hollywood também selecionou Dois Papas, de Fernando Meirelles

Redação Publicado em 13/01/2020, às 11h21

None
Democracia em Vertigem (Foto: Reprodução)

A Academia de Artes e Ciências Cinematográficas revelou hoje, 13, os indicados para o Oscar 2020. E depois de três anos, o Brasil foi novamente selecionado para participar da cerimônia com o documentário Democracia em Vertigem.

+++ LEIA MAIS: Com 11 indicações, Coringa já é o filme de HQs mais celebrado da história do Oscar; veja

A última indicação do país à premiação foi em 2016, com a animação O Menino e o Mundo, de Alê Abreu.

+++ Todas as indicações do Brasil ao Oscar (e nenhuma vitória): Central do Brasil, Democracia em Vertigem e mais

Lançado pela Netflix em junho de 2019, Democracia em Vertigem conta detalhadamente o processo de impeachment da ex-presidente Dilma Roussef e a crise política que acompanhou o mandanto dela.

+++ LEIA MAIS: Confira a lista completa de indicados ao Oscar 2020

Esta é a primeira indicação de Petra Costa na renomada premiação de Hollywood. Entre os outros trabahos de destaque da diretora estão os filmes premiados Elena e Olmo e a Gaivota.

+++ LEIA MAIS Após #OscarSoWhite, Oscar 2019 é histórico ao consagrar Mahershala Ali, Spike Lee e Pantera Negra [ANÁLISE]

Outra coprodução brasileira que recebeu indicações foi Dois Papas, de Fernando Meirelles, indicado nas categorias de Melhor Roteiro Adaptado e de Ator Coadjuvante, com Antonhy Hopkins.

+++ LEIA MAIS: Joaquin Phoenix era subornado com bolachas para ficar no set de Coringa - e detestava ser tocado 

Bacurau e A Vida Invisível foram dois longas-metragens cogitados pelo público brasileiro para os indicados do Oscar, porém, os dois filmes não foram incluídos nem mesmo na pré-seleção da Academia.

+++ LEIA MAIS: Joaquin Phoenix segue os passos de Heath Ledger como Coringa com Globo de Ouro, Bafta e indicação ao Oscar 2020


+++ CORUJA BC1: 'FAÇO MÚSICA PARA SER ATEMPORAL E MATAR A MINHA PRÓPRIA MORTE'