Diddy é processado por tiroteio em restaurante

Executivo Tony Austin diz ter sofrido ferimentos à bala no estabelecimento do rapper, em novembro de 2010

Da redação Publicado em 20/07/2011, às 15h57

Diddy é acusado de falta de segurança no seu restaurante, após tiroteio
AP

O rapper Diddy, anteriomente conhecido como Puff Daddy e P. Diddy, está sendo processado pelo executivo da indústria musical Tony Austin. Segundo Austin, ele teria sofrido múltiplos ferimentos à bala, por conta de um tiroteio no estacionamento de um restaurante do rapper em Atlanta, em novembro de 2010. As informações são da Rolling Stone EUA.

Leia textos das edições anteriores da Rolling Stone Brasil - na íntegra e gratuitamente!

Advogados de Austin acusam Diddy de não ter uma infraestrutura para manter seu negócio com a segurança necessária, e afirmam que o rapper sabia das condições perigosas do local. O Justin's, nome que o rapper deu ao restaurante em homenagem ao seu filho, tem menos de cinco anos de existência em Atlanta, sendo que até 2007 o estabelecimento funcionava em Nova York.

Leroy Tony Austin, ex-membro da gravadora Def Jam, conta que estava sentado em seu carro ouvindo música com um amigo, quando de repente alguém abriu fogo contra seu carro, no estacionamento do restaurante. Diddy ainda não se pronunciou sobre o caso.