Digão diz que quarentena é ‘amostra grátis do comunismo’, é criticado na web e se defende: ‘Agem como intolerantes’

Apesar das críticas, o vocalista e guitarrista do Raimundos manteve a opinião dele sobre o isolamento social

Redação Publicado em 19/05/2020, às 08h18

None
Digão, da banda Raimundos (Foto: Reprodução / Instagram)

Digão, vocalista e guitarrista dos Raimundos, acredita que a quarentena do coronavírus é uma “amostra grátis de comunismo”. De acordo com o site Whiplash, o músico compartilhou um stories no perfil pessoal do Instagram em que associa o isolamento social aos ideais políticos de esquerda.

A foto, também publicada pelo site Tenho Mais Discos que Amigos, mostra uma foice e um martelo em fundo vermelho. Por cima da imagem, o cantor escreveu: “Está gostando do comunismo? Governantes mandando você fechar. Toque de recolher. Proibido ir em certos lugares. Liberdade limitada”.

+++ LEIA MAIS: Quantas vidas a quarentena contra coronavírus já salvou no Brasil?

Ele completa: “Comida limitada. Medo provocado por mídias. Sua empresa não é exatamente sua. Abre e fecha quando eles querem. Não pode visitar familiares. Se tem opinião contrária pode ser preso. Se for ao mar vai ser preso. Soltam criminosos e prendem inocentes. Aproveite a amostra grátis de Comunismo e lute para que não se torne

+++ LEIA MAIS: Washington Post indica Brasil como novo epicentro do coronavírus - por que Ministério da Saúde não registra tantos casos assim?

E os usuários da web não demoraram para criticar a declaração do músico nas redes sociais. Confira algumas das reações: 

+++ LEIA MAIS: Dumb Ways to Die ganha versão brasileira sobre coronavírus - e paródia de Bolsonaro

A medida de proteção contra a covid-19 foi aprovada pela OMS - Organização Mundial da Saúde - e teve a eficácia comprovada por instituições de pesquisa ao redor do mundo, como o Fundo de Pesquisa Médica e de Saúde, de Hong Kong, e o Imperial College, em Londres. Os dois institutos concluíram que a quarentena pode diminuir o número de mortes em massa. 

Contudo, Digão manteve o posicionamento mesmo após a repercussão negativa na web. No Instagram, o músico postou um stories e afirmou: “Ter uma opinião é sinônimo de não agradar a todos… Querer agradar a todos é sinônimo de não agradar ninguém”.

+++ LEIA MAIS: Surto do coronavírus está ‘no início’, diz Mandetta, ex-ministro da Saúde

Já em entrevista ao portal Metrópoles, o cantor declarou que a analogia deixou a militância ofendida e que o grupo fala “fervoroso de democracia, anti fascismo, mas agem como intolerantes e ditadores de verdade”.

“Não é novidade para ninguém que sou totalmente contra a esquerda, repostei uma analogia da vida como seria num regime comunista com o que vivemos hoje na pandemia, e a militância ficou ofendida. Creio que houve mais críticas negativas porque quem concorda comigo não tem tempo pra ficar a toa na internet xingando, pois de um jeito ou de outro, está dando um jeito de trabalhar mesmo de casa, assim como eu.”

Por fim, Digão disse criticou a imagem do roqueiro revolucionário e rebelde, além de afirmar que essas ideologias terminarão de “destruir o nosso país”.  Ele disse: “O grande erro dessa galera é achar que rockeiro tem que ser de esquerda, quebrar hotéis, cuspir na freira… O mundo mudou, lá na frente que vão entender que só não quero que essas ideologias terminem de destruir o nosso país como quase conseguiram.”


+++ VITOR KLEY | A TAL CANÇÃO PRA LUA | SESSION ROLLING STONE