Direto ao ponto, Black Rebel Motorcycle Club faz ótimo show no SWU

Embora parte da público parecesse não estar familiarizado com as músicas da banda, norte-americanos conseguiram prender a atenção

Bruna Veloso Publicado em 14/11/2011, às 17h37 - Atualizado às 19h03

Black Rebel Motorcycle Club se apresentou no Palco Energia do SWU nesta segunda, 14

Ver Galeria
(4 imagens)

Em sua primeira passagem pelo Brasil, o Black Rebel Motorcycle Club fez um show intenso e direto ao ponto na tarde deste domingo, no SWU. O trio norte-americano subiu ao palco Energia às 15h50, com “666 Conducer”, iniciando uma apresentação de condução rápida, som alto e sem firulas.

Embora parte do público parecesse não conhecer bem o repertório do BRMC, o trio não deixou brecha para dispersão. Peter Hayes (que hoje, com os cabelos negros no rosto, tem um quê de Jack White) e Robert Levon Been falaram pouco, trocaram muito de guitarras (Been também conduz o baixo) e se mostraram, de modo quase sempre discreto, felizes em estar festival.

O primeiro “obrigado” veio de Hayes, logo depois de “Bad Blood”. Been – que, como o parceiro, estava vestido inteiramente de preto – chegando ao final da apresentação, abriu a guarda. “Vocês estão bem? Demorou muito para chegarmos até aqui. Não tenho como agradecer”, ele disse antes de “Spread Your Love” (durante a qual, a certa altura, abraçou seu próprio baixo). Quando o público começou a se virar para conversar com os amigos, o trio mandou a rápida “What Happened to My Rock and Roll (Punk Song)”, tornando impossível não virar os olhos de volta para o palco. Hayes então desceu à grade próxima ao público, e de lá terminou a apresentação.

Mesmo no fundo do palco, a baterista Leah Shapiro, que já participou de turnês com Raveonettes, também teve momentos de destaque. Concentrada e séria, ela parecia estar em permanente estado de tensão. Mesmo assim, comandou com classe o instrumento.